Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Contas externas têm rombo de US$ 6,5 bilhões em novembro

Resultado é o pior para o mês desde 2014; investimentos externos somaram US$ 4,5 bilhões

Eduardo Rodrigues e Célia Froufe, O Estado de S.Paulo

22 de dezembro de 2021 | 10h38

BRASÍLIA - O resultado das transações correntes do Brasil com o exterior ficou negativo em novembro em US$ 6,522 bilhões, de acordo com dados do Banco Central. Este foi o pior desempenho para meses de novembro desde 2014, quando o saldo foi negativo em US$ 9,802 bilhões.

A conta de transações correntes no balanço de pagamentos engloba todos os negócios do Brasil com o exterior, incluindo o saldo comercial de mercadorias e serviços, as remessas de lucros e dividendos e os juros pagos pelas empresas, além das transferências pessoais entre países. 

No acumulado de janeiro a novembro, o rombo nas contas externas soma US$ 22,384 bilhões. A estimativa atual do BC é de déficit na conta corrente de US$ 30 bilhões em 2021. A projeção foi atualizada no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) deste mês.

Nos 12 meses até novembro deste ano, o saldo está negativo em US$ 30,842 bilhões, o que representa 1,92% do Produto Interno Bruto (PIB). Esse é o maior déficit em proporção do PIB desde setembro de 2020, quando o acumulado em 12 meses ficou em 2,03%.

Investimentos externos

Os Investimentos Diretos no País (IDP) somaram US$ 4,588 bilhões em novembro, ainda segundo o BC. No mesmo período do ano passado, o montante havia sido de US$ 2,332 bilhões.

No acumulado do ano até novembro, o ingresso de investimentos estrangeiros destinados ao setor produtivo somou US$ 50,378 bilhões. A estimativa do BC para este ano é de um IDP de US$ 52 bilhões. 

No acumulado dos 12 meses até novembro deste ano, o saldo de investimento estrangeiro ficou em US$ 51,478 bilhões, o que representa 3,20% do PIB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.