Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Contas externas têm superávit de US$ 2,095 bilhões

O superávit na conta de transações correntes do balanço de pagamentos ficou em agosto em US$ 2,095 bilhões, o melhor desde o início da série histórica em 1947 para meses de agosto, segundo o chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Altamir Lopes. O resultado é mais do que o dobro que os US$ 803 milhões registrados em agosto do ano passado e ficou acima da projeção do Banco Central, de US$ 1,5 bilhão, e próximo da mediana das previsões de mercado, de US$ 2 bilhões, segundo levantamento do AE-Projeções. De janeiro a agosto, o superávit em conta corrente acumulou US$ 8,225 bilhões (1,38% do PIB), ante US$ 8,628 bilhões em igual período do ano passado, o equivalente a 1,64% do PIB. Nos 12 meses encerrados em agosto, a conta corrente acumula saldo positivo de US$ 13,789 bilhões, o correspondente a 1,60% do PIB. Esse é o melhor resultado em proporção do PIB desde março de 2006. Em valores absoluto, é o melhor desde dezembro de 2005. O BC elevou de US$ 8,8 bilhões para US$ 11,9 bilhões a projeção para o superávit em conta corrente deste ano. Em proporção do PIB, a nova estimativa subiu de 0,86% para 1,31%. Ao mesmo tempo, na nota sobre o setor externo divulgada nesta quinta-feira, o BC informou pela primeira vez sua projeção para a conta corrente em 2007, que é de superávit de US$ 2,5 bilhões.Na projeção para 2006, o BC elevou a estimativa para o superávit na balança comercial de US$ 39 bilhões para US$ 41 bilhões. A estimativa para exportações subiu de US$ 128 bilhões para US$ 132 bilhões, enquanto a de importações subiu de US$ 89 bilhões para US$ 91 bilhões. Para 2007, o BC projeta um superávit comercial de US$ 30 bilhões, sendo US$ 140 bilhões de exportações e US$ 110 bilhões em importações. Segundo Lopes, a projeção de importações em 2007 embute uma expectativa de aumento das compras no mercado externo de 21%. Para este ano, a previsão de importações de US$ 91 bilhões traz embutida uma projeção de crescimento de 23,7%. Já para as exportações, a estimativa de US$ 140 bilhões, em 2007, contém a expectativa de um aumento de 6%, no próximo ano. JurosO BC revisou para baixo a projeção para o déficit na conta de serviços e rendas, de US$ 34,1 bilhões para US$ 33,1 bilhões para este ano. Nessa projeção, o banco reduziu a estimativa da despesa líquida com juros, de US$ 11,5 bilhões para US$ 10,1 bilhões, e manteve em US$ 14,2 bilhões a despesa líquida para lucros e dividendos. O BC também manteve para este ano a projeção de despesas com viagens internacionais em US$ 1,3 bilhão. Outras despesas da conta de serviços e rendas tiveram sua estimativa elevada, de US$ 7,1 bilhões para US$ 7,5 bilhões. Para 2007, o BC está projetando que as despesas líquidas com juros vão ficar em US$ 8 bilhões e que a saída líquida de lucros e dividendos vai somar US$ 14,5 bilhões. O BC projeta também uma despesa líquida de US$ 1,5 bilhão em viagens internacionais e US$ 7,5 bilhões em outras despesas. Para a conta de serviços de rendas como um todo, o BC projeta um déficit em 2007 de US$ 31,5 bilhões. CâmbioO Banco Central comprou no mercado de câmbio, em agosto, US$ 4,6 bilhões. No ano, as intervenções do BC no câmbio somaram US$ 23,4 bilhões. O valor é maior do que todo o volume de dólares adquirido pelo banco no ano passado, que foi US$ 21,5 bilhões. O BC elevou de US$ 21 bilhões para US$ 28,4 bilhões a estimativa para sobras de dólares no mercado (hiato financeiro), neste ano, e projetou em US$ 8,4 bilhões as sobras de dólares em 2007. O BC elevou a projeção para as reservas internacionais, no fim deste ano, de US$ 70,160 bilhões para US$ 73,467 bilhões. Para 2007, a estimativa do BC é que as reservas atinjam US$ 77,409 bilhões. RemessaA remessa de lucros e dividendos somaram em agosto US$ 1,03 bilhão, ligeiramente inferior aos US$ 1,087 bilhão verificados em agosto do ano passado, de acordo com dados divulgados pelo Banco Central. Nos oito primeiros meses do ano, a conta de lucros e dividendos registrou déficit de US$ 10,744 bilhões, ante US$ 7,886 identificados no mesmo período do ano passado.O pagamento líquido de juros em agosto somou US$ 741 milhões. Em agosto do ano passado esta conta ficou em US$ 1,3 bilhão. De janeiro a agosto o pagamento de juros somou US$ 7,641 bilhões ante US$ 9,252 bilhões em igual período do ano passado.A taxa de rolagem nos empréstimos externos de médio e longo prazo em agosto atingiu 216%, mais de quatro vezes superior aos 50% verificados em agosto do ano passado. No acumulado do ano, a taxa de rolagem ficou em 186% ante 66% verificados de janeiro a agosto de 2005. DívidaO Departamento Econômico do Banco Central (Depec) informou nesta quinta que a projeção para as liquidações de pagamentos e de compromissos da dívida externa pelo Tesouro Nacional no próximo ano é de US$ 8,241 bilhões. Para este ano de 2006, a projeção do BC para as liquidações do Tesouro via mercado oscilou de US$ 12,298 bilhões para US$ 12,333 bilhões. A dívida externa total do Brasil subiu de US$ 156,661 bilhões, em junho, para US$ 157,207 bilhões, em agosto. O dado de agosto é uma estimativa do Banco Central. A dívida de médio e longo prazo estimada para agosto ficou em US$ 140,446 bilhões, enquanto a de curto prazo, ficou em US$ 16,761 bilhões. Em junho, a dívida de médio e longo prazo somava Us$ 140,251 bilhões, e a de curto prazo, US$ 16,410 bilhões.Investimento estrangeiroLopes também informou que o fluxo de investimento estrangeiro direto (IED) neste mês até esta quinta estava acumulado em US$ 900 milhões. Para o mês fechado, a previsão é de que o fluxo de IED fique em US$ 1,3 bilhão. Em agosto, o fluxo de IED foi de US$ 1,182 bilhão. De acordo com o funcionário do BC, a instituição revisou de US$ 7 bilhões para US$ 10 bilhões a projeção para investimentos brasileiros no exterior. Para 2007, o BC projeta que esses investimentos vão ficar em US$ 14 bilhões. Segundo Lopes, há um movimento de internacionalização das empresas brasileiras, que estão exportando mais e querem se posicionar no exterior, para disputar de forma mais competitiva esses mercados. Matéria alterada às 15h54 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.