EVELSON DE FREITAS/ESTADÃO
EVELSON DE FREITAS/ESTADÃO

Contas externas têm superávit de US$ 412 milhões em abril, diz BC

Apesar do resultado positivo, contas ainda acumulam rombo de US$ 7,2 bilhões no ano; saldo da conta de viagens ficou negativo em US$ 602 milhões

Bernardo Caram, O Estado de S.Paulo

24 de maio de 2016 | 12h28

BRASÍLIA - Após um rombo de US$ 855 milhões em março, as transações correntes em abril tiveram um superávit de US$ 412 milhões, segundo dados divulgados nesta terça-feira, 24, pelo Banco Central. O resultado foi melhor que as expectativas colhidas pela Agência Estado, que iam de déficit de US$ 1,860 bilhão a déficit de US$ 200 milhões.

A balança comercial registrou um saldo positivo de US$ 4,647 bilhões, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 2,521 bilhões. A conta de renda primária também ficou deficitária em US$ 1,933 bilhão.

Já no acumulado do ano, o déficit nas contas externas soma US$ 7,166 bilhões. Já no acumulado dos últimos 12 meses até abril deste ano, o saldo das transações correntes está negativo em US$ 34,107 bilhões, o que representa 1,97% do Produto Interno Bruto (PIB). A última projeção feita pelo BC, apresentada em março, aponta que o déficit em conta corrente em 2016 deve ficar em US$ 25 bilhões. 

Viagens. No mês passado, a diferença entre o que os brasileiros gastaram lá fora e o que os estrangeiros desembolsaram no Brasil deixou um saldo negativo de US$ 602 milhões. O ritmo diminuiu já que em igual mês do ano passado, o déficit nessa conta era de US$ 1,2 bilhão.

O desempenho da conta de viagens internacionais foi determinado por despesas de brasileiros no exterior, que somaram US$ 1,076 bilhão em abril. Já o gasto dos estrangeiros em passeio pelo Brasil ficou em US$ 475 milhões no mês passado. No acumulado do ano até abril, o saldo líquido dessa conta ficou negativo em US$ 1,728 bilhão. Em igual período do ano passado, esse valor era de US$ 4,795 bilhões. 

Investimento. Os Investimentos Diretos no País (IDP) movimentaram US$ 6,820 bilhões no mês passado. O montante, trazido ao Brasil por estrangeiros e destinado para o setor produtivo, ficou acima das expectativas.

No ano até abril, o ingresso de investimentos estrangeiros destinados ao setor produtivo soma US$ 23,753 bilhões. No acumulado dos últimos 12 meses até o mês passado, o saldo de Investimento Estrangeiro ficou em US$ 79,903 bilhões, o que representa 4,61% do Produto Interno Bruto (PIB).

A remessa de lucros e dividendos de companhias instaladas no Brasil para suas matrizes foi de US$ 574 milhões em abril. A saída líquida ficou abaixo dos US$ 2,358 bilhões que foram enviados, já descontados ingressos, em igual mês do ano passado. No ano, a  saída líquida de recursos via remessa de lucros e dividendos alcançou US$ 4,760 bilhões.

Dívida externa. A estimativa do BC para a dívida externa brasileira em 2016 é de Us$ 337,831 bilhões. O último dado verificado pela instituição foi em dezembro do ano passado e estava em US$ 334,636 bilhões. No fim de 2014, a dívida era de US$ 352,684 bilhões. A dívida externa de longo prazo atingiu US$ 274,586 bilhões em abril, enquanto o estoque de curto prazo ficou em US$ 62,983 bilhões no fim do mês passado, segundo as estimativas do BC.

De acordo com a instituição, dentre os determinantes da variação da dívida externa de curto prazo, destacam-se as amortizações de empréstimos pelos setores financeiro (US$ 428 milhões) e não financeiro (US$ 308 milhões). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.