Contas públicas são 'elo mais fraco' para nota de dívida do Brasil, diz Leos, da Moody's

Os gastos do governo brasileiro continuam sendo o "elo mais fraco" no perfil de classificação de risco do país, alimentando receios sobre um crescimento econômico lento e a enfraquecida confiança de investidores, disse o analista de classificação soberana da Moody's Mauro Leos nesta terça-feira.

REUTERS

30 de setembro de 2014 | 10h41

O Brasil continua sendo um "caso isolado", com métricas de dívida piores em média em comparação aos seus pares, disse Leos em um evento em São Paulo.

Em 9 de setembro, a Moody's alterou a perspectiva de rating soberano do Brasil de "estável" para "negativa", ameaçando rebaixar a nota do país por ver maior risco do crescimento econômico continuar baixo e de piora nas métricas de dívida.

Ao mesmo tempo, a agência de risco reafirmou o rating brasileiro em "Baa2", a segunda menor classificação dentro da faixa considerada como grau de investimento.

(Por Guillermo Parra-Bernal)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROMOODYSBRASIL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.