Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Contas públicas têm superávit de R$ 35,4 bilhões em outubro, melhor resultado para o mês em 5 anos

No acumulado dos dez primeiros meses deste ano, as contas públicas registraram um superávit primário de R$ 49,570 bilhões

Eduardo Rodrigues e Thaís Barcellos, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2021 | 11h05

BRASÍLIA - As contas do setor público consolidado - governo federal, Estados e municípios e estatais - registraram superávit primário de R$ 35,399 bilhões em outubro, informou o Banco Central (BC) nesta terça-feira, 30. 

É o melhor resultado para meses de outubro desde 2016, quando foi registrado um saldo positivo de R$ 39,588 bilhões, ou seja, em cinco anos. No mesmo mês de 2020, houve superávit de R$ 2,952 bilhões. 

O governo federal respondeu por um superávit primário de R$ 29,042 bilhões; Estados e municípios apresentaram um resultado positivo de R$ 6,621 bilhões; e as empresas estatais registraram um déficit primário de R$ 264 milhões.

No acumulado dos dez primeiros meses deste ano, ainda segundo o BC, as contas públicas registraram um superávit primário de R$ 49,570 bilhões. Mas aí o desempenho é diferente em cada esfera: o governo federal registrou um saldo negativo de R$ 53,339 bilhões, enquanto os Estados e municípios apresentaram um superávit primário de R$ 98,749 bilhões, e as estatais tiveram um resultado superavitário de R$ 4,160 bilhões.

No mesmo período do ano passado, no auge da pandemia, foi registrado um rombo fiscal (déficit primário) de R$ 702,950 bilhões. Para este ano, o setor público está autorizado a registrar déficit primário de até R$ 250,89 bilhões.

Dívida se mantém estável

A dívida pública brasileira ficou estável em outubro. Dados divulgados pelo Banco Central mostram que a Dívida Bruta do Governo Geral fechou outubro aos R$ 7,009 trilhões, o que representa 82,9% do Produto Interno Bruto (PIB). O porcentual é igual ao de setembro (dado revisado hoje).

Com influência da inflação e da recuperação econômica este ano, a dívida bruta teve uma trajetória de queda de março a agosto de 2021, mas voltou a subir em setembro. No fim de 2020, o porcentual era de 88,8% - o recorde histórico - e o governo estima que a dívida bruta vai terminar 2021 em 80,6%. No melhor momento da série, em dezembro de 2013, a dívida bruta chegou a 51,5% do PIB.

A Dívida Bruta do Governo Geral - que abrange o governo federal, os governos estaduais e municipais, excluindo o Banco Central e as empresas estatais - é uma das referências para avaliação, por parte das agências globais de classificação de risco, da capacidade de solvência do País. Na prática, quanto maior a dívida, maior o risco de calote por parte do Brasil.

O BC informou ainda que a Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) passou de 58,5% para 57,6% do PIB em outubro. A DLSP atingiu R$ 4,865 trilhões. A dívida líquida apresenta valores menores que os da dívida bruta porque leva em consideração as reservas internacionais do Brasil. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.