Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Contra avanço de térmicas, governo licita Belo Monte em 2009

A enorme hidrelétrica de Belo Monte (Pará) será licitada em 2009, informou o governo nesta quarta-feira, como parte do programa para evitar a "termificação" da1835103346 "Vamos iniciar no ano que vem o processo de licenciamento epretendemos licitar a usina em 2009", afirmou a jornalistas o secretário, após participar de um seminário de energia promovido pela Fundação Getúlio Vargas. A usina será construída no Rio Xingu e terá capacidade de produção de 11.181 MW (megawatts), quase o dobro da capacidade somada das duas usinas do polêmico projeto do rio Madeira. O1768846949entrar em operação em 2011. Zimmermann afirmou que o leilão da hidrelétrica poderia serfeito em duas etapas, sendo que a primeira fase seria de 5.500 MW. "Seria uma licitação nos moldes do que foi feito com Tucuruí", acrescentou. A licitação de Belo Monte faz parte de uma estratégia do governo para evitar a expansão da energia térmica no país, mais cara e mais poluente que a energia hídrica. Além disso, está sendo realizado um estudo para a construção de uma hidrelétrica binacional na fronteira com a Argentina. "Estamos entrando numa etapa em que Eletrobrás e Ebisa, da Argentina, estão desenvolvendo estudos de viabilidade da usina. Os estudos estarão prontos em 30 meses e o tratado inicial era1885434465 Ele alertou para o crescimento das térmicas que tem ocorrido no país. Nos últimos anos, 30 por cento da energia nova licitada foi térmica e 34 por cento de origem hídrica. "Estamos num processo de termificação da matriz. O quadro preocupa. Não vai faltar luz, mas não é a melhor energia que vai garantir o fornecimento", disse Zimmermann. O governo está realizando um inventário e estudos de viabilidade da ordem de 30 mil MW para novos projetos hidroelétricos. "A expansão hidríca tem que ser de 70 por cento e a térmica de 30544239474 ENERGIA NUCLEAR Zimmermann afirmou que o MME já começou a estudar os locaisonde serão construídas as novas usinas nucleares previstas no plano aprovado pelo CNPE (Conselho Nacional de Política Energética). O plano prevê a construção de quatro a oito novas centrais1853186924 "Há sinalizações que vêm do passado que a região Nordeste seria uma alternativa grande devido ao esgotamento do potencial hidrelétrico. Tudo isso vai ser melhor discutido agora. Depende do544239476 Segundo ele, poderão ser construídas de três a quatro centrais nucleares num mesmo local. "A primeira das centrais poderia entrar lá por 2017, e Angra 3 já seria em 2013", acrescentou o1936024434 O presidente da Eletronuclear, Othon Luiz da Silva, defendeu a expansão da energia nuclear no país e afirmou que o Brasil não pode "desprezar suas reservas de urânio". Silva disse que o Brasil tem 309 mil toneladas de urânio comprovadas e outras 800 mil toneladas estimadas. "Temos uma das maiores reservas do mundo e nem tudo foi contabilizado. Temos queusá-las para evitar a incerteza energética mundial. Temos as reservas e dominamos toda a tecnologia nuclear", disse Silva no seminário. O executivo acha que os órgãos ambientais do Brasil já estão conscientes de que as usinas nucleares representam menos riscoao meio ambiente que as térmicas, porém reconheceu que os rejeitos nucleares ainda são uma barreira a ser vencida para a expansão no Brasil. (Texto de Marcelo Teixeira)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.