Contradição entre ata e relatório irrita analistas

Segundo especialistas, relatório do fim de junho apontava alto risco para inflação; ata mostrou preocupação menor

Leandro Modé, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2010 | 00h00

A maior crítica de economistas de mercado à ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada ontem é o tom contraditório em relação ao Relatório de Inflação publicado no fim de junho. Em conversas com analistas nos últimos dias, integrantes do Banco Central (BC) têm rebatido os ataques.

No relatório, cuja redação terminou no dia 18 de junho (a divulgação foi no dia 30), o BC escreveu, por exemplo, que "o balanço de riscos relacionados às perspectivas de inflação evoluiu desfavoravelmente desde a divulgação do último relatório (publicado em 31 de março)". Em outras palavras, o risco de aceleração da inflação era maior em junho do que em março.

Na ata de ontem, a autoridade monetária faz afirmação totalmente distinta. "Desde a última reunião (do Copom, em 8 e 9 de junho), reduziram-se os riscos à concretização de um cenário inflacionário benigno, no qual a inflação seguiria consistente com a trajetória de metas". Ou seja, o risco de a inflação fugir da meta era menor no dia 20 de julho do que nos dias 8 e 9 de junho.

O que, afinal, teria mudado entre os dias 18 de junho (data em que o relatório terminou de ser escrito) e a realização do Copom - exatamente um mês depois - que justificasse a redução do ritmo de alta da taxa básica de juros (Selic)?

A visão da autoridade. O BC tem apresentado aos especialistas várias explicações. A principal delas diz respeito à forte desaceleração da atividade econômica, expressa pelos indicadores divulgados após a publicação do relatório de inflação.

O argumento da autoridade monetária é o de que, no segundo trimestre, a economia brasileira cresceu transitoriamente abaixo do potencial - um movimento exatamente contrário ao que ocorreu no primeiro trimestre, quando chegou a estar superaquecida, na visão do BC.

Essa acomodação entre abril e junho é explicada pela retirada dos estímulos fiscais concedidos pelo governo - sobretudo o IPI menor para a aquisição de veículos automotores - e pelos efeitos iniciais do aperto monetário implementado pelo BC a partir de fevereiro. No fim daquele mês, a autoridade aumentou os depósitos compulsórios dos bancos - o que, na prática, equivale a uma elevação do juro.

A isso se somam as incertezas em relação ao cenário externo, principalmente sobre a expansão da economia dos Estados Unidos - além das dúvidas que já existiam acerca da recuperação da atividade na Europa.

O BC também tem argumentado que o estouro da crise global provocou mudanças na forma de atuação das autoridades monetárias no mundo. A ideia é reagir rapidamente aos primeiros sinais de mudança de cenário.

Na visão da autoridade monetária, como a economia internacional ainda está bastante volátil, essas alterações súbitas devem ocorrer com frequência.

A explicação não convence a todos. Um analista que pede anonimato reclama. "Para entender o que o BC vai fazer com o juro, terei de ler jornais, em vez de acompanhar os relatórios de inflação e as atas do Copom."

Debate

A ata convenceu?

José Marcio Camargo - ECONOMISTA DA OPUS GESTÃO DE RECURSOS

SIM

Sim Houve uma mudança importante no cenário interno e no externo, entre o primeiro e o segundo trimestre, e a ata sugere exatamente isso. O ritmo de crescimento mundial desacelerou. Com o fim dos incentivos fiscais, a economia brasileira também desacelerou.

José Francisco Lima Gonçalves - ECONOMISTA-CHEFE DO BANCO FATOR

NÃO

Não Dá a sensação de que alguém errou em algum momento, sem que fique muito claro do que se trata. Uma coisa é a economia desacelerar, outra é o IPCA convergir para o centro da meta no prazo relevante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.