Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Controlado por ex-usineiro, Indusval vira Voiter e quer ser banco de negócios

Com ajuda da consultoria Estáter, de Pércio de Souza, instituição financeira enxugou custos e estrutura e redirecionou estratégia para o setor corporativo

Mônica Scaramuzzo, O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2020 | 05h00

O banco Indusval, que já teve múltiplos controladores desde sua criação, no fim dos anos 1960, definiu uma nova estratégia de crescimento. A instituição financeira, controlada pelo investidor e empresário do agronegócio Roberto de Rezende Barbosa, está concluindo uma reorganização de negócios para se fortalecer como um banco médio voltado às empresas. 

O banco vai fazer uma segregação dos seus negócios, criando uma holding para separar seus ativos. O antigo nome Indusval vai absorver o legado, como créditos podres e fiscais, carteira de crédito e outros bens, como imóveis, que somam cerca de R$ 1,5 bilhão. A instituição financeira deixará de ser listada na Bolsa paulista, a B3.

Com uma estrutura mais enxuta, o novo banco – rebatizado de Voiter – passará a oferecer crédito a empresas de médio e grande porte, por meio do mercado de capitais e em parceria com gestoras de investimentos. O Voiter também vai mirar as startups, que são carentes de capital de risco.

O processo de reestruturação do Indusval começou em setembro de 2018, com a contratação da consultoria Estáter, de Pércio de Souza. Para ajudá-lo a reinventar o banco, Souza contratou o executivo Fernando Fegyveres, ex-Itaú BBA. 

Dinheiro novo

Em 2019, o Indusval havia recebido injeção de capital de cerca de R$ 300 milhões, bancada majoritariamente por Rezende Barbosa. Com esse aporte, o empresário do agronegócio, que já era acionista do banco, passou a deter 75% do capital. Barbosa deu carta branca para a Estáter mudar a estratégia e reduzir a dependência do Indusval do agronegócio. 

O banco deve agora receber mais R$ 100 milhões, em operação que culminará no fechamento do capital. Os antigos acionistas Jair Ribeiro, Luiz Masagão e Manoel Felix Cintra Neto vão permanecer no conselho da nova holding. Abaixo dessa holding, ficarão os ativos problemáticos do Indusval, o novo banco e o braço digital da instituição, o SmartBank.

Um dos principais acionistas da Cosan desde 2009, Rezende Barbosa é presidente do conselho de administração do Indusval, mas não participa do dia a dia do negócio. Ele era dono do banco Intercap, incorporado ao Indusval em 2013. No ano passado, o ex-usineiro também comprou 20% da corretora Guide, que pertencia ao Indusval.

Com a reestruturação, o novo Indusval pretende ser mais “leve e ágil”. “O objetivo é atuar como um banco médio de apoio às empresas”, diz Pércio de Souza. O Voiter também terá uma comercializadora de energia, adquirida em 2019 pelo Indusval. O negócio tem o objetivo de obter ganhos com arbitragem de crédito e gerar negócios com grandes empresas. A previsão é que essa carteira, estimada hoje em R$ 30 milhões, atinja R$ 250 milhões até o fim do ano. 

Souza se inspirou no modelo do antigo BBA, banco comprado da família Bracher pelo Itaú, do qual ele fez parte o com Fegyveres nos anos 1990. Na nova estratégia, o limite de um banco médio não será o capital mantido em seu balanço, mas a capacidade de originar negócios aos clientes. 

Fintech

Além de buscar alavancar o crédito com capital de terceiros, o banco Voiter tem interesse de ampliar a atuação de seu braço digital, o SmartBank, criado ainda na antiga gestão. Hoje, o banco digital drena R$ 3 milhões por mês em recursos do Indusval. Agora, vai ser reinventado e terá a missão de atender a pequenas e médias empresas (PMEs). A executiva Márcia Nogueira de Mello, que era da empresa de operação financeira Global Payments, vai assumir esse negócio. 

Para tornar a estrutura do banco mais enxuta, Souza e Fegyveres promoveram pesados cortes de custos. Saíram da sede da Faria Lima, venderam uma frota de 15 carros de luxo, além de levantar R$ 500 mil com a venda de obras de arte e outros R$ 100 mil em móveis. “O Indusval vivia como um ‘bancão’, mas dava resultado de banquinho”, resume Souza.

Para atrair novos talentos e profissionais experientes, o banco passou a oferecer um pacote de opções de ações (stock options) para os executivos que totalizam 10% do capital do banco. “É impossível criar banco de negócios sem gente capaz de gerar negócios”, diz Souza. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.