Controle de pragas exige cuidados especiais

Contratar uma empresa de confiança para realizar serviços de dedetização e descupinização pode ser uma tarefa mais difícil do que exterminar os próprios insetos e animais. De acordo com a Associação Paulista dos Controladores de Pragas Urbanas (Aprag), existem cerca de 2,5 mil empresas especializadas na Grande São Paulo, mas somente 30% atuam de forma legalizada.Para auxiliar os consumidores a fugir das armadilhas dos caçadores clandestinos de ratos, baratas, formigas e cupins, a Aprag vai realizar de 13 a 15 de maio, no ITM Expo, em São Paulo, a Expoprag 2002. O evento terá a participação de 80 expositores, incluindo fabricantes de inseticidas e venenos, distribuidores, revendedores e controladores de pragas urbanas credenciados pela Aprag."Uma empresa só pode ser nossa associada se tiver alvará da vigilância sanitária e registro no conselho regional pertinente", explica o presidente da Aprag, Luis Fernando Macul. Segundo ele, existem mais de 5 mil dedetizadoras no País, mas menos da metade atende às exigências legais para atuar nesse segmento, que movimenta aproximadamente R$ 600 milhões por ano.Com o objetivo de regularizar esse mercado, a Aprag e a câmara dos vereadores da cidade de São Paulo vão apresentar durante a Expoprag uma proposta para a criação do Código Municipal de Controle de Pragas. "O documento já está pronto, mas ainda precisa ser apreciado pela câmara", adianta Macul. Segundo ele, a idéia é aperfeiçoar a fiscalização das empresas e definir formas de contrato que garantam regular manutenção do serviço prestado."As pessoas precisam se conscientizar de que a prevenção ainda é o melhor remédio para combater problemas com insetos e animais nocivos", alerta Macul. De acordo com ele, existe uma média de dois a três ratos por habitante na grande São Paulo, além de milhares de pombos, cujas fezes são capazes de transmitir até 60 tipos diferentes de doenças. Isso sem citar o incontável número de baratas e colônias de cupins espalhadas pela cidade.Aprag: (0--11) 5563-5258 / Expoprag: (0--11) 3721-3116

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.