finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Conversas já duram 2 anos

As conversas para a entrada da Cosan no bloco de controle da ALL já duram dois anos. A primeira proposta foi formalizada em fevereiro de 2012, quando o grupo de Rubens Ometto ofereceu

O Estado de S.Paulo

14 de março de 2014 | 02h07

R$ 896,542 milhões para comprar ações dos acionistas privados da companhia: Ricardo Arduini, conselheiro da ALL, sua esposa Julia, e GMI (Global Markets Investments, que representa o presidente do conselho de administração, Wilson de Lara).

Os fundos e o BNDESpar, que não foram contemplados originalmente pela oferta, se opuseram e um novo rearranjo foi feita para que todos fossem beneficiados pela oferta.

Paralelamente ao acordo que está em discussão neste momento, as duas companhias ainda seguem em litígio. A expectativa, conforme declaração recente do presidente da Cosan, Marcos Lutz, é de que o as duas empresas encerrem a disputa na Justiça, assim que o acordo for fechado. A Cosan pretende criar, a partir dessa fusão, a maior companhia de logística integrada do País, aliando os modais rodovia, ferrovia e portos para o escoamento de soja, açúcar e outras commodities. /M.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.