Convites a 350 pessoas para posse de Guedes começaram a ser enviados hoje

Para evitar concorrência, a cerimônia será depois da transmissão de cargo de Sérgio Moro

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

26 de dezembro de 2018 | 21h02

BRASÍLIA - Cerca de 350 convites para a transmissão de cargo do novo ministro de economia, Paulo Guedes, começaram a ser enviados nesta quarta-feira pelo cerimonial do Ministério da Fazenda. A cerimônia foi marcada para o dia dois de janeiro, às 15h, no auditório do  Instituto Serzedello Corrêa, onde funciona a Escola Superior do Tribunal de Contas da União (TCU).

Para evitar concorrência, a cerimônia será depois da transmissão de cargo de Sérgio Moro, futuro ministro da Justiça, foi marcada para às 10 horas. A troca de cargos do novo comandante da equipe econômica é a mais esperada e concorrida na Esplanada dos Ministérios. Moro assume às 10h no mesmo horário da cerimônia de posse do futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, no Palácio do Planalto.  Oficialmente, Bolsonaro dará posse aos novos ministros no dia 1º no Palácio do Planalto, mas as transmissões são feitas depois.

A expectativa é de que expoentes do PIB brasileiro prestigiem a cerimônia de Guedes, entre empresários, banqueiros e representantes de entidades representativas de setores econômicas, lideranças do movimento liberal no Brasil (da qual o novo ministro faz parte), apoiadores de primeira hora da campanha de Jair Bolsonaro, além das autoridades do Legislativo e Judiciário e governadores que integram a lista oficial de convites do cerimonial.

Com o ministério da Economia vai fundir os atuais ministérios da Fazenda, Planejamento e Indústria, Comércio Exterior, a lista foi ampliada. Por motivo de melhor facilidade de acesso aos convidados e espaço maior no auditório, o auditório do TCU foi escolhido. Tradicionalmente as cerimônias de posse ocorrem no auditório do Banco Central, que comporta uma menor quantidade de pessoas e tem maior dificuldade de movimentação das autoridades. Antes de Guedes, os três ministros que deixam o cargo farão também o discurso.

É grande a expectativa em torno do discurso de Guedes, que durante a campanha evitou conceder entrevistas. É praxe o ministro que assume dar na fala da cerimônia o tom das principais diretrizes econômicas. Enquanto Joaquim Levy, ministro da Fazenda no governo Dilma Rousseff, priorizou o combate do patrimonialismo no Brasil e o ajuste fiscal, o atual ministro, Eduardo Guardia, pediu apoio do Congresso para aprovar os projetos econômicos. O ex-ministro Henrique Meirelles, antecessor de Guardia no cargo, não teve cerimônia de transmissão de cargo, após o impeachment de Dilma.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Paulo GuedesMinistério da Fazenda

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.