Copa terá quiosques com produtos orgânicos

Venda será feita por agricultores familiares cadastrados; divulgação do comércio de produtos será feita pelos voluntários que se inscreveram para trabalhar durante o mundial

Renata Veríssimo, O Estado de S. Paulo

31 de maio de 2014 | 13h24

BRASÍLIA - Com o apoio do governo federal, os agricultores familiares e de produtos orgânicos poderão divulgar e comercializar seus produtos durante a Copa do mundo em dez das doze cidades sedes dos jogos. O ministério do Desenvolvimento Social irá montar quiosques, com representantes de seis cooperativas em cada um, próximos a pontos turísticos para a venda dos alimentos. Belo Horizonte e Cuiabá serão as únicas sedes sem a montagem dos quiosques.

“Uma forma de colocar na vitrine os agricultores que estamos apoiando há bastante tempo”, afirmou o secretário de Nacional de Segurança Alimentar do ministério, Arnoldo de Campos. Segundo ele, 25 mil famílias estão sendo beneficiadas diretamente com a ação promocional do governo.

A divulgação dos produtos também será feita pelas 18 mil pessoas que se inscreveram para trabalhar como voluntários na Copa. Junto com os uniformes, elas receberão um kit lanche formado por frutas desidratadas, barras de cereal, biscoitos, castanhas, mel e sucos. Os produtos são um complemento ao cartão alimentação que os voluntários receberão do ministério dos Esportes.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Ação promocional vai beneficiar 25 mil famílias de agricultores e levará produtos orgânicos para 10 das 12 cidades-sede
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313

Em troca, no entanto, terão que ajudar a promover os alimentos. “Eles irão explicar que o Brasil tem esse tipo de produto, onde comprar, e o que significa ter o selos de qualidade”, explicou o secretário. Ele afirmou que a campanha por uma alimentação saudável começa na Copa, mas seguirá nos próximos anos e deve ser replicada nas Olimpíadas em 2016. “Alimentação e esporte tem tudo a ver”, argumentou Campos. Ontem os voluntários em Brasília fizeram uma degustação e receberam informações sobre os produtos.

Para fazer a campanha promocional, o ministério do Desenvolvimento Social teve um custo de R$ 4,4 milhões. A aquisição e distribuição dos alimentos para os voluntários custou R$ 2 milhões e foi feita por meio de concorrência pública.

Outro processo de seleção foi realizado para a escolha das 60 cooperativas que irão comercializar os itens nos quiosques. “O mix de produtos é mais abrangente nos quiosques porque inclui produtos como cachaça, vinho e geleias. Vai ter uma pequena mostra do Brasil de forma que o turista vai ter contato com um pequeno mix dos produtos e do rural brasileiro”, afirmou Campos.

Esses pontos de vendas serão instalados em locais turísticos ou junto a Fanfest (Festa dos Fans da Fifa), com shows todos os dias de jogo. Em São Paulo, por exemplo, o quiosque ficará no Vale do Anhangabaú. 

Tudo o que sabemos sobre:
Copaalimentos orgânicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.