Copom aumenta os juros, mas continua atrasado
Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Copom aumenta os juros, mas continua atrasado

O Banco Central continua deixando de lado o impacto secundário da inflação de custos no País

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2021 | 19h55

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central voltou a aumentar os juros básicos (Selic) em 0,75 ponto porcentual, para 4,25% ao ano, mas continua atrasado no processo de controle da inflação, porque manteve a dose prometida, mesmo surpreendido pela inflação mais alta. 

Na reunião de 6 de maio, o Banco Central reconheceu que estava deixando o trabalho incompleto. O termo usado no documento foi o de que o ajuste procurava a “normalização parcial”. Ao mesmo tempo, deixou como favas contadas nova alta dos juros de 0,75 ponto porcentual na reunião desta quarta-feira. A inflação de maio surpreendeu para cima, ficou no 0,83% e, no período de 12 meses completados em maio, em 8,06%, acima do esperado pelo mercado e pelo Banco Central.

Ficou entendido que o aumento dos juros (o 0,75 ponto porcentual decidido desta vez) calibrados para uma inflação mais baixa continuaria a ser normalização parcial se a inflação viesse mais alta, como veio e promete mais.

Por isso, número expressivo de analistas econômicos entendeu que, para enfrentar essa elevação mais braba de preços, o Banco Central teria de puxar os juros em 1 ponto porcentual. Mas não foi o que aconteceu. O Banco Central limitou-se a retirar a expressão “normalização parcial” do seu comunicado e a adiantar mais uma alta de 0,75 ponto porcentual na próxima reunião, agendada para 4 de agosto.

Ainda prevalece o diagnóstico do Banco Central de que o esticão da inflação não acontece por aumento da demanda interna, mas por choque de oferta. Inflação de demanda é a que acontece com aumento da procura por bens e serviços descasada de oferta equivalente. A atual inflação não se explica pelo aumento da demanda porque o desemprego continua alto (14,7%) e o consumidor brasileiro perdeu renda durante a pandemia. Ela é mais de custos do que de demanda porque vem empurrada pela alta das commodities decidida no exterior. Por isso, não caberia reforçar o aumento dos juros, que é reduzir o volume de moeda na economia, para conter a demanda.

Embora fundamentalmente correto, o diagnóstico do Banco Central do Brasil deixou de lado o impacto secundário dessa inflação de custos, num país em que ainda é forte a indexação (correção monetária).

E mais, nos próximos meses, ainda se esperam três pauladas sobre o custo de vida: a aplicação da bandeira vermelha sobre as tarifas de energia elétrica, em consequência da crise hídrica; a inevitável transferência da alta no atacado para os preços do varejo; e o aumento dos preços do setor de serviços que quase forçosamente se seguirá depois de outubro com o aumento da vacinação.

O que pode atenuar a inflação é o comportamento do câmbio. Nesta quarta-feira, as cotações do dólar chegaram a tocar nos R$ 4,99 (ver abaixo). Isso significa que os preços dos importados, especialmente os dos alimentos e dos combustíveis, enfrentarão importante fator de baixa.

CONFIRA

As cotações do dólar continuam em queda. Atingiram o pico de R$ 5,80 em 9 de março e, nesta quarta-feira, chegaram a resvalar para abaixo dos R$ 5. Mas fecharam a R$ 5,06, na ponta de venda. As causas desse movimento são conhecidas: é a grande abundância de dólares no mercado externo; o excelente desempenho das exportações; a alta dos juros que voltaram a atrair moeda estrangeira; e a relativa melhora da área fiscal. A valorização do real diante do dólar é fator que tende a segurar a inflação.

*CELSO MING É COMENTARISTA DE ECONOMIA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.