Copom considera alta inflação de dezembro

O Comitê de Política Monetária (Copom) considerou alta a inflação de 0,65% de dezembro, medida pelo IPCA. Na ata da sua última reunião, divulgada hoje, o BC destaca que apesar do índice ter diminuído permaneceu alto em dezembro. Para o BC, o núcleo de inflação manteve-se elevado no final do ano passado. A Ata destaca que os primeiros sinais do mês de janeiro apontam para um índice menor, mas "ainda relativamente elevado". A ata aponta três fatores que contribuíram para esses resultados. São eles: os fatores climáticos adversos que afetaram diferentemente as diversas regiões (chuvas e secas) com impacto de alta sobre os preços dos alimentos; as pressões para recomposição das margens de lucro e os efeitos secundários dos choques, reflexo da inércia da maior inflação de 2001, e o movimento de queda mais lento dos preços dos derivados do petróleo.Reversão lentaO Banco Central avalia que a reversão da trajetória de inflação tem ocorrido de forma lenta. Para o BC, ainda permanecem focos de incerteza para a confirmação do quadro favorável para a inflação de queda em direção à trajetória da suas metas. "Diante de uma queda mais lenta da inflação e da incerteza que ainda prevalece para a confirmação do quadro favorável para a inflação, o Copom decidiu por unanimidade manter a meta para a taxa Selic em 19% ao ano", afirma a Ata da reunião do Copom. De acordo com o texto, a manutenção da taxa de juros em 19% e da taxa de câmbio que prevalecia na véspera da reunião do Copom apontam para um inflação em 2002 abaixo de 4%. Para 2003, a inflação projetada está abaixo do centro da meta de 3,25%. Na ata anterior, do mês de dezembro, o BC projetava para 2002 uma inflação próxima "ao centro da meta de 3,5%". Para 2003, a projeção do BC em dezembro era de uma inflação "significativamente inferior à meta central de 3,25%".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.