Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Copom dá pistas de fim do ciclo, dizem analistas

Segundo especialistas, mudança no comunicado do Copom indica que juro deve subir mais uma vez em janeiro

Gustavo Porto e Márcio Rodrigues, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2013 | 02h16

O comunicado do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), que ratifica a alta de 0,5 ponto porcentual da Selic, para 10% ao ano, dá pistas de que o órgão pode encerrar, em janeiro, o ciclo de alta na taxa de juros, segundo o sócio da Tendências Consultoria Integrada Juan Jensen.

Para ele, a retirada da frase "o Comitê avalia que essa decisão contribuirá para colocar a inflação em declínio e assegurar que essa tendência persista no próximo ano" e a inclusão do trecho no qual o Copom informa que as altas foram iniciadas em abril apontam para uma freada na Selic, sem antes uma nova alta, de 0,25 ponto, no primeiro mês de 2014.

 

"O Copom tem uma semana para encontrar a forma de deixar claro, na ata da reunião de hoje, de que encerrará o ciclo", disse.

 

A mudança no comunicado deve fazer com que os juros futuros de curto prazo operem em queda hoje, na avaliação do economista sênior do Besi Brasil, Flávio Serrano. "O BC mudou o comunicado e acho que essa alteração, apesar de sutil, tem algum motivo.

 

A introdução do trecho 'iniciado na reunião de abril de 2013' passa ideia de longevidade do ciclo e pode ser um indício de que o BC prepara terreno para terminar com o aperto", afirmou Serrano. "Com certeza, agora o BC está mais próximo do fim do ciclo de aperto monetário", pontuou.

 

Para o economista-chefe da MCM consultores, Fernando Genta, a mudança no comunicado "claramente mostra um esforço do BC para preparar o mercado para o fim do ciclo de alta" na taxa Selic.

 

O ponto principal para avaliação, segundo ele, é a retirada da frase, presente em comunicados anteriores, na qual o Copom apontava que as altas contribuíam 'para colocar a inflação em declínio e assegurar que essa tendência persista no próximo ano'".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.