finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Copom não deve alterar taxa de juros

A reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que ocorre hoje e amanhã, não deve ser fonte de grandes surpresas, na opinião dos analistas. Espera-se que o Banco Central (BC) mantenha a Selic, a taxa básica de juros, em 19%.O economista Bernardo Macedo, da LCA Consultores, explica que, se o BC reduzisse a taxa, haveria o risco de o dólar aumentar ainda mais, causando um descontrole cambial. "Por outro lado, se o BC optasse por subir a taxa, a atividade econômica ficaria numa situação ainda mais negativa." Macedo acredita que, por conta disso, o BC vai tentar evitar ao máximo mexer nos juros, adotando outras medidas, como os leilões de títulos cambiais que vêm sendo feitos em grande número nas últimas semanas.O economista-chefe do Lloyds Bank, Odair Abate, também acha que não haverá modificação na taxa de juros porque, apesar de a economia do País estar em evidente desaceleração, a taxa de câmbio já está em um patamar muito alto. Assim, ele acha que, antes de mexer nos juros, o BC vai esperar que a pressão sobre o câmbio diminua. "A prudência deve caracterizar as ações do BC, que deve esperar que o cenário externo esteja menos conturbado." O economista Raul Veloso concorda: ele acha muito improvável que o BC reduza a taxa agora. "Nesse momento, isso seria uma incoerência, porque poderia acirrar a pressão no mercado cambial."Já para João Paulo dos Reis Velloso, presidente do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec), uma redução na taxa, com o objetivo de reduzir o déficit da balança comercial, não seria o melhor caminho. "O necessário é que se aumente as exportações." Ele também acha que o BC deve continuar adotando medidas alternativas para controlar o câmbio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.