Copom prevê estabilidade para preço da gasolina em 2008

Mesmo prevendo preços estáveis para o combustível, BC projeta aumento de tarifas de energia e telefonia

Fabio Graner e Fernando Nakagawa, da Agência Estado,

31 Janeiro 2008 | 11h38

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central avalia que os preços da gasolina e do gás de bujão não devem sofrer aumento em 2008. A projeção consta da ata da reunião de janeiro divulgada nesta quinta-feira, 31. Apesar da estabilidade dos derivados do petróleo, o BC acredita que as tarifas de energia elétrica devem subir 3,4% e as de telefonia fixa, 3,5% em 2008.   Para o conjunto dos preços administrados - as tarifas públicas, o Copom acredita que haverá alta de 4,2% no acumulado de 2008. O número é menor que a previsão anterior, de 4,5%, apresentada no Relatório Trimestral de Inflação divulgado em dezembro do ano passado. Naquele mês, segundo o IBGE, os preços administrados corresponderam a 30,48% do total do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).   IPCA   A ata da última reunião do Copom mostra que houve uma piora nas projeções de inflação calculadas pelo Banco Central para 2008. No cenário de mercado, em que são considerados juros e câmbio constantes em todo o horizonte de previsão, a estimativa para o IPCA deste ano subiu "sensivelmente" em relação à última reunião do Copom e ficou em torno do valor central da meta, fixada em 4,5%.   No chamado cenário de mercado, que leva em conta a evolução dos juros e câmbio previstas pelo mercado, a previsão para o IPCA também subiu e agora, ao contrário da ata anterior, se localiza acima da meta de 4,5%. O Copom não informa os valores exatos das projeções.   2009   Para 2009, o Copom acredita que as tarifas públicas devem ter alta de 4,2%, mesmo número do Relatório de Inflação. Também para o ano que vem, segundo o Copom, as projeções para o IPCA se mantiveram "relativamente estáveis" e, no cenário de referência, permaneceram abaixo do centro da meta, enquanto no cenário de mercado ficaram acima de 4,5%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.