coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Copom vê recuperação da economia em "ritmo lento"

Os diretores do Banco Central (BC) acreditam que os últimos indicadores do nível de atividade observados "parecem confirmar" que a economia brasileira continua se recuperando, ainda que num "ritmo lento". Entre os indicadores analisados pelos diretores estão o "forte" crescimento de 1,34% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre do ano (em relação ao último trimestre de 2001) e o crescimento de 4,07% da produção industrial em abril. Apesar desse crescimento, os diretores do BC destacam, na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que alguns indicadores apontam para uma queda na produção industrial brasileira em maio. Outro aspecto negativo, ressaltado pelo Copom, é o aumento da taxa de desemprego aberto, medida pelo IBGE. Houve uma interrupção no movimento de queda que vinha sendo observado, e em abril essa taxa atingiu 7,6%, ante 7,1% em março. O índice de intenções do consumidor, medido pela Fecomércio de São Paulo, também foi negativo, já que ele apresentou uma queda de 12,31% em junho. Em relação ao desempenho do setor externo, os diretores do BC consideram que até agora ele tem sido "positivo". Isso porque o saldo da balança acumulado em 12 meses, até maio, já atingiu US$ 4,9 bilhões e o déficit em transações correntes tem se reduzido continuamente, desde agosto de 2001. O Copom ressalta, entretanto, que a "conjuntura adversa recente", caracterizada por uma aumento da incerteza em relação ao futuro do País, tem influenciado "negativamente" o preço dos ativos em moeda estrangeira e local.

Agencia Estado,

26 de junho de 2002 | 15h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.