Coréia amplia limites de empréstimos a exportadores

O Banco da Coréia (BOK, banco central sul-coreano) anunciou nesta segunda-feira que ampliou os limites de empréstimos para os exportadores do país, especialmente os que tiveram grandes prejuízos com os contratos de derivativos cambiais sobre uma contínua desvalorização da moeda local frente ao dólar. "As perdas das pequenas e médias empresas que subscreveram opções cambiais, como os KIKOs, aumentaram fortemente", disse o banco central, num comunicado, referindo-se aos contratos Knock-In e Knock-Out (KIKOs). Esses contratos permitiram que as empresas vendessem seus dólares a uma taxa contratada, com base numa determinada faixa de oscilação da paridade dólar-won. Mas muitas empresas sofreram prejuízos pesados quando o dólar subiu bem mais do que o previsto. "A possibilidade de falência e dificuldades financeiras aumentou muito (para essas empresas) e tornou-se um fator-chave na desaceleração da economia real", acrescentou o banco central. O BOK informou ainda que, também devido à forte desvalorização da moeda local frente ao dólar e ao iene, concederá uma carência de pelo menos dois anos para que algumas empresas paguem seus empréstimos em moeda estrangeira. A medida entra em vigor já a partir desta segunda-feira. Só neste mês, o dólar já se valorizou 17,8% contra o won, enquanto o iene teve uma valorização de 29,2% sobre a moeda sul-coreana no mesmo período. Até o final de agosto, os empréstimos em moeda estrangeira das empresas sul-coreanas totalizavam US$ 48,8 bilhões, dos quais US$ 18,6 bilhões eram para capital operacional. As informações são da Dow Jones.

HÉLIO BARBOZA, Agencia Estado

27 Outubro 2008 | 07h37

Mais conteúdo sobre:
Coréia empréstimos exportadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.