Coréia do Sul anuncia US$ 100 bilhões em garantias estatais

Governo garantirá por três anos o pagamento de todos os empréstimos que bancos contraírem até 2009

Efe,

19 de outubro de 2008 | 17h08

A Coréia do Sul anunciou oficialmente neste domingo, 19, que vai disponibilizar US$ 100 bilhões para ajudar os bancos locais a pagarem as dívidas que contraírem em moeda estrangeira. Com esta medida, o governo de Seul garantirá, a partir de segunda-feira e por um período de três anos, o pagamento de todos os empréstimos em moeda estrangeira que os bancos sul-coreanos contraírem até junho de 2009, diz um comunicado oficial divulgado pela agência de notícias Yonhap. Veja também:Especial: A cronologia da crise financeira   Dicionário da crise financeira  As autoridades também anunciaram neste domingo que "o mais rápido possível" vão oferecer aos bancos e exportadores locais US$ 30 bilhões procedentes de suas reservas em moeda estrangeira. Essa quantia se somará aos US$ 15 bilhões que o governo sul-coreano injetou recentemente no sistema financeiro. As medidas fazem parte da estratégia da Coréia do Sul para amenizar a escassez de dólares no mercado local e devolver confiança aos investidores. "Da mesma forma que outras economias começaram a oferecer garantias para os empréstimos interbancários, o Governo sul-coreano tomará medidas similares para evitar colocar os bancos locais em situação de desvantagem", segundo um comunicado oficial. O Banco da Coréia (o banco central sul-coreano) anunciou na sexta-feira que promoverá reformas para impedir uma desvalorização ainda maior da moeda sul-coreana, cada vez mais fraca frente ao dólar. "O governo buscará o estabelecimento de políticas de estabilização do mercado de maneira decisiva e suficiente para minimizar o custo total da implementação das medidas propostas", acrescenta o comunicado. O Banco de Desenvolvimento e o Banco de Exportações e Importações da Coréia ficarão a cargo das garantias estatais, que começarão a ser oferecidas amanhã, até que o Parlamento aprove o novo plano.

Tudo o que sabemos sobre:
Coréia do Sulcrise financeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.