Coreia do Sul e EUA selam acordo sobre aço

coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

Coreia do Sul e EUA selam acordo sobre aço

Foi o primeiro acordo fechado pelos americanos neste caso; coreanos vão limitar exportações a 70% das vendas realizadas nos últimos 3 anos

Cláudia Trevisan, correspondente, O Estado de S.Paulo

26 de março de 2018 | 21h39

WASHINGTON - A Coreia do Sul concordou nesta segunda-feira, 26, em limitar suas vendas de aço para os Estados Unidos a 70% da média registrada nos últimos três anos, com o objetivo de escapar da tarifa de 25% sobre a importação do produto adotada pela administração Donald Trump. O país foi o primeiro a fechar acordo sobre o assunto e o resultado pode ser uma indicação das demandas que serão feitas por Washington na negociação com outros governos, entre os quais o do Brasil.

“Os EUA vão exigir limites às exportações dos países que foram temporariamente isentos da tarifa. A questão é como isso será feito caso a caso”, disse Monica de Bolle, do Peterson Institute for International Economics. Em sua avaliação, a posição do Brasil é frágil, em razão das recomendações apresentadas pelo Departamento do Comércio ao fim da investigação relativa ao impacto das importações sobre a segurança nacional dos EUA. Entre as medidas sugeridas pela decisão estava a imposição de tarifa de 53% a 12 países, entre os quais o Brasil.

Sem modelo. Uma fonte do governo brasileiro que acompanha o assunto disse que o acordo fechado pela Coreia do Sul não pode ser visto como um modelo para todas as outras negociações. Segundo a mesma fonte, o Brasil tem a seu favor o fato de ter déficit comercial com os Estados Unidos e exportar ao país aço semiacabado, que é finalizado por siderúrgicas americanas. Além disso, é o principal destino das vendas externas de carvão siderúrgico pelos EUA.

++ Indústria do aço teme ‘inundação’ de importações

A solução para a Coreia do Sul foi encontrada no âmbito da renegociação do acordo de comércio bilateral que havia sido fechado na gestão de Barack Obama. Trump criticava os seus termos desde a campanha e exigia sua revisão. Monica afirmou que a redução das exportações anuais de aço de 3,4 milhões de toneladas para 2,8 milhões de toneladas foi o preço pago pela Coreia do Sul para manter o tratado com os EUA sem alterações profundas. Em outra concessão, o país asiático concordou em aumentar o acesso de carros americanos a seu mercado. “O Brasil não tem nada a oferecer em troca (da isenção)”, observou Monica.

O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, disse que a negociação com a Coreia do Sul é uma indicação do sucesso da aplicação do princípio “América em Primeiro Lugar” ao comércio internacional. “Eu acho que a estratégica está funcionando”, declarou em entrevista à Fox News.

++ Brasil e Estados Unidos iniciam conversa sobre taxa do aço

“Nós anunciamos a tarifa. Nós dissemos como procederíamos. Mas, de novo, nós dissemos que negociaríamos de maneira simultânea.” Adotada na semana passada, a isenção da tarifa ficará em vigor até o fim de abril, quando todos os países abrangidos pela medida deverão concluir suas negociações com os EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.