coluna

Carolina Bartunek: ESG, o que eu tenho a ver com isso?

Coreia do Sul lança plano de US$ 20,7 bi contra crise

Valor equivale a 3% do Produto Interno Bruto; pacote precisa ser aprovado pelo Parlamento

Efe,

24 de março de 2009 | 02h57

A Coreia do Sul anunciou nesta terça-feira, 24, um orçamento extraordinário de 28,9 trilhões de wons (US$ 20,7 bilhões) para este ano, o equivalente a 3% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, conforme informou o Ministério das Finanças e Estratégia.

 

Veja também:

linkPacote americano faz bolsas asiáticas operarem em alta

linkEUA lançam plano para comprar US$ 500 bi em ativos tóxicos

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise  

 

Trata-se do maior orçamento impulsionado na Coreia do Sul desde 1998, quando um pacote lançado pelo governo chegou a 13,9 trilhões de wons (US$ 10,049 bilhões) devido à crise que na ocasião a Ásia enfrentava.

 

O número revelado nesta terça se une aos já 284,5 trilhões de wons (US$ 205,682 bilhões) do orçamento anual para 2009 já aprovado no Parlamento sul-coreano. O orçamento anunciado será submetido ainda à votação em abril no Parlamento, como informa a agência de notícias local Yonhap.

 

"A crise econômica global está evoluindo mais rapidamente que o esperado em termos de profundidade e alcance", disse o ministro das Finanças sul-coreano, Yoon Jeung-hyun.

 

Do total do orçamento, o governo destacou que 17,7 trilhões de wons (US$ 12,796 bilhões) serão destinados a despesas adicionais, enquanto o montante restante será usado em gasto fiscal.

 

O orçamento inclui 4,2 trilhões de wons (US$ 3,036 bilhões) de ajuda em dinheiro, cupons de compra e créditos baratos a pessoas de baixa renda, e outros 3,5 trilhões de wons (US$ 2,53 bilhões) à geração de emprego e ajuda a empresas.

 

As pequenas empresas com problemas de liquidez e as companhias exportadoras receberão também outros 4,5 trilhões de wons (US$ 3,253 bilhões).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.