Coreia do Sul retomará importação de óleo iraniano--fontes

Refinarias da Coreia do Sul vão retomar as importações de até 200 mil barris por dia de petróleo iraniano a partir de setembro, disseram fontes do Ministério da Economia nesta segunda-feira, encerrando um intervalo de dois meses devido à proibição da União Europeia relativa ao seguro para o petróleo do Irã.

Reuters

20 de agosto de 2012 | 10h37

A retomada não deve impedir a tentativa da Coreia do Sul de ampliar a renúncia às sanções dos Estados Unidos mais tarde no ano, uma vez que as importações em 2012, que estavam em baixa de 17 por cento no primeiro semestre, ainda vão estar 20 por cento mais baixas que o ano passado.

"As importações vão retomar os embarques no início de setembro, o que significa chegada no final de setembro", disse uma fonte do Ministério da Economia que possui conhecimento direto sobre a questão, mas não quis ser identificado por não estar autorizado a falar com a imprensa.

"O petróleo será carregado no Irã para ser enviado por navios-tanque iranianos sob a cobertura do seguro iraniano", disse a fonte.

Japão e Coreia do Sul, terceiro e quarto maiores compradores de petróleo do Irã, interromperam as importações em julho, enquanto tentavam descobrir como continuariam as compras sob as sanções da UE, que dificultaram o embarque, o seguro e o pagamento pela commodity.

Assim como na China e na Índia, refinarias coreanas pediram ao Irã para entregar petróleo em seus próprios navios, disseram fontes do governo e da indústria nesta mês. Isso muda a responsabilidade do seguro para o Irã, evitando a proibição da UE sobre seguros cobrindo os embarques iranianos.

Estados Unidos, União Europeia e outras nações ocidentais estão tentando interromper a suposta busca iraniana por armamentos nucleares através de sanções mais duras às exportações de petróleo, uma importante fonte de receita do Irã, que diz que seu programa nuclear é pacífico.

(Reportagem de Meeyoung Cho)

Tudo o que sabemos sobre:
ENERGIAPETROLEOCOREIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.