carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Coréia surpreende e corta taxa de juros em 1 ponto

Suíça e Taiwan também cortaram taxa básica para combater crise financeira

Clarissa Mangueira,

11 de dezembro de 2008 | 08h19

O Banco do Coréia do Sul (BOK, o banco central do país) anunciou nesta quinta-feira um corte de 1 ponto percentual na taxa básica de juros, para 3% ao ano, prevendo profunda desaceleração da economia nos próximos meses e enfraquecimento da inflação, em meio às turbulências do mercado financeiro global. Com o último corte, os custos dos empréstimos atingiram níveis recorde de baixa.   Nove dos dez economistas ouvidos pela Down Jones Newswires tinham previsto que o BOK cortaria a taxa básica de juros em 0,50 ponto percentual. Eles também estimaram que mais cortes ocorrerão pelo menos até a primeira metade de 2009.   O índice de preços ao consumidor subiu 4,5% em novembro, em comparação com o mesmo período de 2007, desacelerando em relação à alta de 4,8% registrada em outubro.   O banco central sul-coreano cortou a taxa de juros em 1,25 ponto percentual, em quatro decisões, entre outubro e novembro deste ano.   Suíça   O Banco Nacional da Suíça cortou a taxa de juro de referência da economia em 0,50 ponto percentual, citando as condições mais apertadas da economia e prometeu continuar monitorando a situação dos mercados financeiros, a qual, em sua opinião, piorou.   A nova banda de oscilação para a taxa Libor em francos suíços em três meses, taxa de referência suíça, é agora de 0% a 1%. O BC diz que mantém o centro da banda (0,5%) como meta.   O BC suíço prevê contração da economia em 2009 de entre 0,5% a 1,0%. A taxa de inflação deve cair para a média de 0,9% em 2009 e para 0,5% em 2010. Anteriormente, o BC suíço estimava a taxa de inflação em 1,9% em 2009 e em 1,3% em 2010.   Taiwan   O banco central de Taiwan anunciou corte de 0,75 ponto percentual em sua principal taxa de juro, a redução mais profunda em 26 anos. O corte é o quinto seguido desde setembro, resultado do esforço do BC para impulsionar a economia do país diante da desaceleração econômica global. O corte superou a previsão de 0,50 ponto percentual dos economistas e é o maior desde 30 de dezembro de 1982. Incluindo a ação de hoje, as taxas já foram reduzidas em 1,625 ponto percentual desde setembro.   "Os riscos para o desempenho da economia no primeiro semestre de 2009 permanecem elevados", disse o Banco Central da República da China (Taiwan) em nota após encontro trimestral de política monetária. "Nossa política monetária de flexibilização do juro e o estímulo do governo irão ajudar a economia", acrescentou.   A taxa de redesconto caiu para 2% após o corte; a taxa para os empréstimos não garantidos cedeu para 4,250% e a taxa para os empréstimos garantidos recuou para 2,375%.      

Tudo o que sabemos sobre:
jurocrisecoréiasuíça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.