Yuri Gripas/EFE/EPA
Yuri Gripas/EFE/EPA

Coronavírus: Congresso e governo americanos chegam a acordo por pacote de US$ 2 tri

Estímulo pretende proteger a economia das consequências da atual pandemia; pacote deverá ser apreciado pela Câmara dos Representantes

Redação, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2020 | 04h20
Atualizado 26 de março de 2020 | 17h03

WASHINGTON - Congressistas republicanos e democratas e o governo, do presidente dos Estados UnidosDonald Trumpchegaram a um acordo preliminar em torno de um pacote de estímulos econômicos estimado em US$ 2 trilhões

A intenção é proteger a economia americana das piores consequências da pandemia do novo coronavírus. "Senhoras e senhores, temos um acordo", anunciou o diretor de assuntos legislativos da Casa Branca, Eric Ueland, na madrugada desta quarta-feira, 25.

"Após dias de intensas discussões, o Senado chegou a um acordo bipartidário sobre um pacote histórico de ajuda para lidar com essa pandemia", disse o senador republicano Mitch McConnell. "Aprovaremos este texto ainda hoje", acrescentou. O pacote, que será promulgado por Donald Trump, deve ter o aval da Câmara dos Representantes, liderada pela democrata Nancy Pelosi.

Na terça-feira, 24, Trump havia falado sobre a emergência de aprovar o pacote. "Quanto mais tempo demorar, mais difícil será para a economia. Nossos trabalhadores serão prejudicados", escreveu no Twitter.

O presidente também criticou os esforços democratas de atrelar a legislação ao chamado Green New Deal, proposta da oposição que trata de mudanças climáticas e desigualdades sociais. "(O pacote contra coronavírus) é sobre colocar nossos trabalhadores e empresas de volta ao trabalho", destacou.

Os mercados financeiros de Ásia Europa sentiram os efeitos do novo acordo entre Congresso dos Estados Unidos e governo de Donald Trump sobre o que a imprensa norte-americana chama de "o maior pacote de estímulos da história moderna do país". Ambos têm alta generalizada nos respectivos mercados. / COM AGÊNCIA ESTADO E AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.