Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Coronavírus poderá levar crescimento da década a zero, no pior resultado da história, diz FGV

Conforme pesquisa divulgada pelo Ibre, a pandemia vai passar, mas vai deixar para trás uma economia com nova crise fiscal e com baixa produtividade

Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2020 | 05h00

RIO - A recessão provocada pela pandemia de covid-19 será o fechamento trágico da pior década em termos de crescimento da economia de que se tem registro na história econômica brasileira. Levando em conta as projeções mais atualizadas para o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, o crescimento médio anual desta segunda década do século XXI poderá ficar em zero, estima um estudo do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

A estimativa considera uma queda de 5,4% no PIB de 2020, projeção atualizada pelo Ibre/FGV no último dia 13, na semana passada. Se confirmada, será a maior retração anual da história. Atualmente, a maior queda de que se tem registro, com 4,35%, é a de 1990 – a mais antiga série estatística para o PIB disponível no País, compilada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), começa em 1901, ainda que os dados do início do século XX sejam frágeis.

Se a nova recessão que agora se inicia por causa da pandemia poderá levar 2020 a ser o pior ano da história para a economia, o desempenho da segunda década já seria um recorde negativo, mostra o estudo do Ibre/FGV. Considerando a projeção anterior para 2020, de crescimento de 2,0% no PIB, os anos 2010 teriam um avanço médio anual de tímido 0,8%.

A histórica recessão de 2014 a 2016 – ligeiramente menor do que a de 1981 a 1983 – foi seguida de uma recuperação historicamente lenta. Isso já garantiria à década que termina este ano um crescimento econômico abaixo dos anos 1980, que, com alta média anual de 1,6%, acabou apelidada de a “década perdida” – conforme a série histórica do Ipea, e antes de sabermos o desempenho de 2020, a década de 1980 contém os dois anos de pior desempenho no PIB anual, com recuo de 4,25% em 1981 e queda de 4,35% em 1990.

Futuro

Para Silvia Matos, coordenadora do Boletim Macro do Ibre/FGV e coautora do estudo com Paulo Peruchetti, o fato de a década se encerrar com mais uma recessão, de tamanho ainda desconhecido, poderá levar a próxima década, que se inicia em 2021, a registrar desempenho econômico pífio também.

“Essa pandemia vem, num certo sentido, não só para tornar a década ainda pior, mas para dificultar a visão de futuro”, afirmou Silvia.

Para a economista do Ibre/FGV, além da “questão exógena” da covid-19 e da recessão global associada a ela, a economia brasileira vive um “momento muito difícil” também por causa de questões internas, como resposta errática das autoridades à pandemia e as crises políticas, o que deixa o País “sem garantia de manutenção do arcabouço já construído” na política econômica, ou seja, da continuidade da agenda de reformas.

Baixa produtividade

Assim, a pandemia pode passar, mas deixar a economia com nova crise fiscal e com baixa produtividade. O resultado pode ser uma retomada muito lenta, com continuidade da recessão até 2021, diferentemente do esperado para a maioria das economias do mundo, que deverão experimentar forte recuperação após a volta ao normal das atividades.

“A questão toda é que essa retomada está ficando muito incerta no Brasil, independentemente da economia mundial”, afirmou Silvia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.