Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Correção: Abear negocia ICMS com três Estados

A nota enviada anteriormente contém uma incorreção. A Abear negocia com os Estados e não com os aeroportos. Segue matéria corrigida.

ALTAMIRO SILVA JÚNIOR, CORRESPONDENTE, Agencia Estado

24 de junho de 2013 | 18h09

A Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) negocia com três Estados a redução da alíquota do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) incidente sobre o querosene de aviação em aeroportos, segundo seu presidente, Eduardo Sanovicz, que preferiu não citar os nomes dos terminais.

O Distrito Federal já reduziu a alíquota de 25% para 12% no aeroporto de Brasília em abril e Sanovicz diz que o objetivo é fazer a mesma redução em outros três Estados. O combustível é um dos principais custos do setor aéreo e é precificado em dólar, o que faz as despesas pesarem mais em momentos como este, em que o dólar está mais caro.

O executiva cita que Estados como Rio de Janeiro (12%) e Minas Gerais (11%) também já diminuíram a alíquota do ICMS aplicadas em voos domésticos. Os trechos internacionais são isentos de ICMS em todo o Brasil. A maior exceção até agora é São Paulo.

O executivo da Abear está em Nova York nesta segunda-feira, 24, para fazer um panorama do setor aéreo no chamado "Gol Day", um evento que reúne analistas e investidores em Wall Street, para discutir as estratégias da companhia. Na sua apresentação, Sanovicz destacou que o número de passageiros no setor aéreo brasileiro saltou de 38 milhões em 2002 para 100 milhões em 2012. Um dos pontos, porém, é que este novo viajante, de menor renda, é mais sensível a alta de preços no setor. "O esforço do segmento é para reduzir os custos", disse ele.

Tudo o que sabemos sobre:
AéreasqueroseneICMS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.