Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Correção: CCR pretende participar de outras licitações

A matéria enviada anteriormente contém um erro de digitação no título. Segue matéria com o título corrigido.

WLADIMIR D'ANDRADE; LUCIANA COLLET E FERNANDA GUIMARÃES, Agencia Estado

22 de novembro de 2013 | 14h52

O diretor de Novos Negócios da CCR, Leonardo Vianna, disse que a companhia não vai parar no leilão de aeroportos na busca de novos ativos para seu portfólio. O executivo contou que na segunda-feira, 25, a empresa vai entregar proposta para a concorrência pela concessão da rodovia federal BR-163, no trecho do Mato Grosso, e que deverá disputar também as demais rodovias que deverão ser licitadas ainda neste ano.

"Segunda-feira voltamos à Bolsa para entregar proposta, vamos entregar para os próximos dois lotes de rodovias", disse, logo após o encerramento da entrevista coletiva sobre o leilão dos aeroportos de Galeão e Confins. O consórcio liderado pela CCR ganhou a concessão do terminal mineiro com uma proposta de R$ 1,820 bilhão.

O executivo disse que a CCR pretende participar de todas as concessões programadas pelo governo federal nos próximos meses. Vianna afirmou que as condições financeiras da companhia permitem que ela dispute mais ativos e que não haverá descontrole no endividamento, apesar de haver a possibilidade dos acionistas permitirem um maior nível que a atual relação entre dívida líquida e Ebitda de 3 vezes a 3,5 vezes.

"Os nossos acionistas podem permitir ultrapassar o nosso limite de endividamento. Não há dogma nisso", afirmou, após a entrevista coletiva.

Tudo o que sabemos sobre:
concessõesaeroportosCCR

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.