Correção: controladores fecham usina Santa Luiza

O texto enviado anteriormente contém uma incorreção. O nome da Usina é Santa Luiza e não Santa Luzia, como foi publicado. A seguir, a matéria corrigida:Ribeirão Preto, SP - Os Grupos São Martinho e Cosan divulgaram hoje fatos relevantes no qual anunciam o fechamento da Usina Santa Luiza, localizada no município de Motuca (SP) e com capacidade de moagem de 1,8 milhão de toneladas de cana-de-açúcar, e o enceramento das atividades da Agropecuária Aquidaban, que produz 1,5 milhão de toneladas de cana por ano. Os grupos comunicaram ainda a extinção da Etanol Participações S.A., holding criada em abril entre as duas companhias e a Usina Santa Cruz para a aquisição da unidade sucroalcooleira localizada em Motuca (SP).Nos comunicados é informado que, após a cisão, a Etanol Participações será incorporada pelos sócios, proporcionalmente. A Usina São Martinho tem 41,67%, a Cosan, 33,33% e a Santa Cruz 25% do capital acionário da unidade. "Tal decisão visa maximizar as sinergias operacionais e administrativas para as controladoras e seus respectivos grupos", informam os fatos relevantes.A partir da safra 2008/09 a cana-de-açúcar processada na usina de Santa Luiza passa a ser redirecionada para as unidades industriais dos grupos controladores, proporcionalmente à participação no capital social.Assim sendo, com o fechamento da Usina Santa Luiza, a São Martinho informa que irá receber mais 750 mil toneladas de cana-de-açúcar na safra 2008/2009, e a Cosan, na unidade Bonfim, deve absorver 600 mil toneladas. Já as 450 mil toneladas restantes de cana devem ser destinadas à Santa Cruz, em Araraquara (SP).A decisão ratifica o que era comentado no setor, que a compra da Santa Luiza serviu para evitar que algum concorrente das empresas se antecipasse e adquirisse a unidade e ainda que o futuro fechamento ampliaria a oferta de cana para as unidades das empresas. A Usina São Martinho, localizada em Pradópolis (SP), por exemplo, apesar de ter uma capacidade de moer cerca de 7,5 milhões de toneladas de cana por safra, raramente atinge a meta e sempre encerra o processamento antes do término da safra por falta de matéria-prima.Os contratos de arrendamento de terras e de fornecimento de cana serão divididos entre os controladores da Etanol Participações. Já os ativos industriais e os equipamentos agrícolas poderão ser vendidos a um dos sócios, ou mesmo a terceiros. Os 1.100 funcionários da unidade poderão, segundo os comunicados, ser remanejados para outras usinas dos controladores, ou poderão optar por um pacote de benefícios, que não é revelado, caso optem por sair.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.