Correção: dados mostram expansão menor das despesas

A nota enviada anteriormente continha erros. Os porcentuais de 3,6% e 4,1% de crescimento, respectivamente, das receitas e despesas em 2007, ante 2006, referem-se ao porcentual da expansão em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) nominal (produção de bens e serviços avaliada a preços correntes) do período. Veja a nota com a correção:Brasília, 30 - O secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, afirmou que em 2007 ficou comprovado que o ritmo de expansão das despesas do governo foi menor que o ritmo de crescimento das receitas. De acordo com dados divulgados hoje pelo secretário, as receitas cresceram 4,1% em relação ao PIB nominal em 2007, no comparativo a 2006, enquanto as despesas cresceram 3,6%, em relação ao PIB nominal, na mesma base de comparação. Na comparação entre o ano de 2006 com o de 2005, as despesas haviam crescido 5,2% e as receitas, 2,4%."É uma tendência positiva para a política fiscal no médio e longo prazos", disse. Em relação ao perfil das receitas e despesas em 2007, o secretário do Tesouro destacou que a atividade econômica em alta e a maior lucratividade das empresas foram importantes para o aumento da arrecadação. Cerca de R$ 20,4 bilhões vieram do aumento da arrecadação com Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL).O secretário também destacou a elevação das contribuições previdenciárias, que decorreu, principalmente, do crescimento da massa salarial e da formalização de empregados no mercado de trabalho. Pelo lado das despesas, Augustin destacou aumento dos gastos com pessoal, em torno de R$ 10,7 bilhões, mas que foram feitos para reestruturação de carreiras específicas."Esse efeito do aumento do gasto por conta da reestruturação não deve se reproduzir este ano", afirmou. Além disso, houve gastos maiores do Tesouro com um conjunto de programas sociais de vários ministérios e com benefícios previdenciários por força dos reajustes para reposição de inflação e também por causa do aumento do salário mínimo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.