Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Correção: desemprego sobe para 9,8% nos EUA

A nota distribuída anteriormente informou, incorretamente, que o Departamento do Trabalho dos Estados Unidos revisou o dado de desemprego de julho. Na verdade, houve revisão do dado de agosto, para redução de 201 mil postos de trabalho, ante estimativa original de corte de 216 mil. Veja abaixo a nota corrigida:

MARCÍLIO SOUZA E NATHÁLIA FERREIRA, Agencia Estado

02 de outubro de 2009 | 13h25

A taxa de desemprego dos Estados Unidos subiu de 9,7% em agosto para 9,8% em setembro, dentro do que previam os analistas. Desde o início da recessão no país, em dezembro de 2007, a taxa de desemprego vem apresentando forte alta. Em julho do ano passado, o indicador ainda estava abaixo de 6%.

Em setembro, a economia norte-americana eliminou 263 mil postos de trabalho, informou hoje o Departamento de Trabalho. O governo também revisou o dado de agosto, para uma redução de 201 mil postos de trabalho, ante uma estimativa original de corte de 216 mil. Desde o começo da recessão, a economia norte-americana perdeu 7,6 milhões de empregos.

De acordo com o Departamento de Trabalho, a renda média por hora trabalhada no país aumentou US$ 0,01 em setembro, para US$ 18,67, enquanto a média de horas trabalhadas por semana caiu 0,1, para 33,0 horas. Segundo o relatório, o emprego no setor manufatureiro diminuiu em 51 mil em setembro. No setor de construção, foram perdidos 64 mil postos de trabalho.

O setor de serviços, principal forte de emprego nos EUA, eliminou 147 mil empregos. As empresas de serviços profissionais e negócios cortaram 8 mil postos de trabalho, enquanto o comércio varejista cortou 39 mil e lazer e hospitalidade eliminaram 9 mil postos. O governo cortou 53 mil empregos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
desempregoEstados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.