coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Correção: Lula quer forçar negociação sobre Doha

A nota enviada anteriormente continha um erro. O presidente Lula está hoje na República do Congo, e não na República Democrática do Congo, país vizinho, como informado anteriormente. Segue a nota corrigida:O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje, na República do Congo, que pretende forçar "uma negociação" com os Estados Unidos e a Comunidade Européia para destravar a rodada comercial de Doha, da Organização Mundial do Comércio (OMC).Em declaração ao lado do presidente da República do Congo, Denis Sassou-Nguesso, Lula propôs que países em desenvolvimento, como o Brasil, flexibilizem tarifas de importação de produtos industrializados e, por sua vez, os países ricos reduzam os subsídios agrícolas. "O que quero é um grande acordo para que a União Européia facilite a entrada dos produtos dos países mais pobres e os Estados Unidos diminuam a quantidade de subsídios na agricultura interna. E os países em desenvolvimento, como o Brasil, flexibilizem seus produtos industriais."Lula adiantou, no entanto, que a flexibilização não pode causar danos às indústrias dos países emergentes. "Os países que estão em desenvolvimento agora não podem abdicar de sua indústria. O problema é que essa flexibilização tem que ser proporcional a cada país. Lula foi aplaudido por autoridades da República do Congo e pelo presidente do país quando criticou os países ricos. "O que estou propondo é que os países ricos parem de tratar os países pobres como se fossem pedintes", disse.

LEONENCIO NOSSA, ENVIADO ESPECIAL, Agencia Estado

16 de outubro de 2007 | 17h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.