Correção: Meirelles diz estar sintonizado com Mantega

Ao contrário do que foi publicado em nova enviada anteriormente, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, não afirmou que um dos objetivos do fundo soberano é o monitoramento da valorização do real. Ao ser indagado por jornalista em Israel sobre declarações feitas pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, em entrevista ao jornal "Financial Times", de que o papel primário do fundo soberano a ser criado pelo governo será de conter a valorização do real, Meirelles disse apenas que as declarações "são auto-explicativas" e que estava "totalmente sintonizado" com o ministro na criação do fundo. Veja abaixo a íntegra da resposta de Meirelles à pergunta da jornalista sobre a entrevista de Mantega ao FT:"Eu tenho por princípio não comentar declarações, portanto, eu acredito que as declarações (de Mantega) são auto-explicativas e eu tenho que apenas dizer que estamos totalmente sintonizados na criação do fundo (soberano). O fundo já teve o seu anúncio feito e tem algumas definições básicas, como o fato de que não vai usar reservas do Brasil, vai adquirir recursos diretamente do mercado. Os demais itens nós vamos definir os detalhes ainda, tão logo quanto possível. O governo e a equipe econômica estiveram diretamente envolvidos na montagem de toda a reformulação do sistema de tarifas bancárias no Brasil, portanto nós, agora sim, estaremos focando na questão do fundo soberano, vamos estar lidando com isso tão logo eu voltar ao Brasil." Segue a íntegra da nota corrigida:O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, que participa em Israel de um encontro econômico com autoridades locais, disse em entrevista que o Banco Central só agora vai começar a discutir os objetivos reais do fundo soberano. Ele afirmou que até agora o BC estava focado na normatização e redução das tarifas bancárias e que só agora sua cúpula vai discutir quais os objetivos do fundo. Meirelles afirmou também que "eu acredito que as declarações (de Mantega) são auto-explicativas e eu tenho que apenas dizer que estamos totalmente sintonizados na criação do fundo (soberano)".O presidente do BC se referia a entrevista que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, concedeu ao jornal britânico "Financial Times", salientando que o papel primário do fundo soberano a ser criado pelo governo será a de conter a valorização do real. "Ele terá a função de reduzir a oferta de dólares no mercado e ajudar o real a se valorizar menos", disse Mantega ao diário britânico.Meirelles também comentou o crescimento da produção industrial no Pais, afirmando que ela é robusta, como o previsto em todas as atas do Comitê de Política Monetária (Copom), e isso demonstra a estabilidade do Brasil, inclusive a choques internacionais.E explicou que "o Brasil está menos dependente da demanda externa, inclusive da americana", referindo-se à recente crise imobiliária nos EUA. Segundo o presidente do BC, esse menor grau de dependência se dá devido, também, à diversificação das exportações brasileiras: 17% delas vão para os Estados Unidos, 25% para a União Européia e 26% para a América Latina. "A viagem a Israel faz parte do esforço de diversificação", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.