CORREÇÃO-Preocupação sobre EUA impulsiona alta do dólar

O dólar fechou em alta ante o real nesta sexta-feira, acompanhando um movimento global de valorização, após ter caído durante boa parte da manhã.

(CORRIGE 12O, REUTERS

05 de junho de 2009 | 19h02

A moeda norte-americana subiu 0,77 por cento, a 1,958 real para venda, depois de chegar a cair 1,65 por cento pela manhã.

"Hoje é dia de realização (de lucro) e volatilidade. O dólar está subindo em relação às (principais) moedas, principalmente ao euro, e o movimento de lá reflete aqui", considerou Licínio Silva Neto, diretor da Hencorp Commcor Corretora.No final da tarde, o dólar subia 1,5 por cento ante uma cesta com a principais divisas, sendo o maior ganho em relação ao euro.

Na semana, entretanto, o dólar acumulou queda de 0,86 por cento ante o real.

As preocupações com um possível aumento da inflação nos Estados Unidos, diante da ampliação do déficit fiscal do país, fez com que o retorno dos Treasuries continuasse subindo. Os juros do papel de 30 anos subiram de 3,60 por cento para 4,63 por cento, de 12 de março até agora.

"Os juros dos títulos americanos continuam subindo, o que aumenta o risco de inflação e pode levar a uma desvalorização das demais moedas ao redor do mundo", afirmou João Medeiros, diretor de câmbio da Pioneer Corretora.

As bolsas de valores norte-americanas operaram sem tendência definida.

Dados contraditórios do setor trabalhista dos Estados Unidos estimularam cautela entre os investidores. O governo revelou que os empregadores cortaram menos postos de trabalho que o esperado em maio, mas a taxa de desemprego saltou para 9,4 por cento, maior nível desde julho de 1983.

TENDÊNCIA

Silva Neto, da Hencorp, acrescentou que os investidores estão embolsando lucros por enxergarem uma grande valorização nas bolsas de valores e moedas emergentes, como o real, num curto período de tempo.

"Esperávamos isso para outubro ou novembro, mas já ocorreu em maio", ressaltou o diretor, acrescentando que há preocupações sobre a consistência do movimento.

Para Mario Paiva, analista de câmbio da Corretora Liquidez, apesar da alta desta sessão, a tendência de baixa do dólar deve se sustentar, principalmente com a continuação dos ingressos de recursos. "A alta de hoje foi pontual", resumiu.

A alta da moeda norte-americana frente ao real também foi impulsionada por um desmonte de posições vendidas em dólar que teria sido feito pela Petrobras, segundo operadores do mercado. Procurada pela Reuters, a empresa afirmou que não realizou operações relevantes no mercado.

O barril do petróleo nos Estados Unidos subiu 0,54 por cento, fechando a 68,44 dólares.

Na BMF Bovespa, de acordo com os números mais recentes, o volume de dólar negociado no segmento à vista girava em torno de 1,5 bilhão de dólares.

(Reportagem de Silvia Rosa e José de Castro; Edição de Daniela Machado)

Tudo o que sabemos sobre:
DOLARFECHAATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.