Correção: real valorizado dispensa reajuste da gasolina

A nota publicada anteriormente contém um erro. O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, afirmou em entrevista que a "alta no preço do barril no mercado internacional não justifica um reajuste de preços no mercado interno", e não "ainda não justifica", como veiculado. Segue abaixo a nota corrigida.O presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, disse hoje que não vê espaço no cenário externo para uma queda no preço do barril do petróleo, que atingiu ontem o valor recorde de US$ 86 em Nova York. "A era de preços baixos, que permitiu a vida atual baseada em combustíveis fósseis, acabou", previu o executivo em palestra durante um encontro sobre bioenergia no BNDES.Para Gabrielli, esta situação não deve se reverter nem em curto ou longo prazo. "Hoje, somente 30% das reservas descobertas estão em condição de disponibilidade. A maior parte está localizada em áreas com risco geopolíticos, isso significa que guerras, invasões e demais conflitos terão cada vez mais importância para pressionar os preços, assim como a relação oferta e demanda", disse.O executivo considerou, no entanto, que a alta no preço do barril no mercado internacional não justifica um reajuste de preços no mercado interno. A Petrobras não repassa a alta do petróleo para o preço da gasolina e diesel desde de setembro de 2005. "A valorização do real compensou essa diferença nos preços", afirmou. Segundo ele, esse cenário de preço elevado do barril de petróleo deverá estimular o crescimento da procura por biocombustíveis. "Haverá uma pressão crescente da sociedade tanto em relação as condições climáticas, como por questões econômicas", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.