Correção: RJ pode cortar imposto do aço para trem-bala

O título da nota enviada anteriormente estava incompleto. A nota, que segue na íntegra, estava correta.O governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, disse hoje em Seul, na Coréia do Sul, que o governo do Estado poderá zerar a alíquota de importação do aço para a indústria ligada ao trem de alta velocidade. Segundo nota divulgada pela assessoria do governador, Cabral fez a declaração após ouvir de executivos coreanos a queixa de que o preço do aço no Brasil é muito elevado. Ainda dentro do KTX (Korean Train Express), o governador foi enfático. "Não vamos admitir que o trem-bala fique mais caro por conta do preço do aço brasileiro. Se for necessário, o governo isentará a importação do aço, independentemente do país cujo modelo for escolhido para fazer o trem", disse, de acordo com a nota.Ainda segundo a nota da assessoria do governador, o secretário de Estado da Fazenda, Joaquim Levy, também na comitiva em visita a Seul, disse: "Temos todo o interesse em que a nossa população seja rapidamente atendida e com um serviço de qualidade no que diz respeito a trens. Isso vai ter um impacto enorme na vida e na capacidade econômica do Estado do Rio".Para o governador, a possibilidade de um crescimento descentralizado nas áreas próximas ao trem-bala, como ocorre na Coréia, é "muito positiva". Ele lembrou, de acordo com a nota da sua assessoria, que o projeto coreano prevê quatro estações - em Resende (RJ), Volta Redonda (RJ), Taubaté (SP) e em São José dos Campos (SP) -, permitindo o desenvolvimento de regiões do interior do Rio de Janeiro e de São Paulo. "Isso gera o desinchaço urbano e o crescimento descentralizado", disse, na nota, o governador.De acordo com a assessoria de Cabral, os coreanos podem fazer uma linha expressa ligando Rio e São Paulo em 90 minutos e uma outra, com duas horas e 20 minutos de duração, incluindo as paradas nas quatro estações citadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.