Helvio Romero/Estadão
Helvio Romero/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Correios anunciam taxa extra para entregas na cidade do Rio de Janeiro por causa da violência

Haverá taxa emergencial de R$ 3 para entregas feitas no município, empresa não informa se a cobrança já está em vigor ou ainda será aplicada

Fabio Grellet, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2018 | 23h48

Onze dias após ser anunciada a intervenção federal na segurança pública do Estado do Rio de Janeiro, os Correios divulgaram nesta terça-feira, 27, a adoção de uma taxa emergencial de R$ 3 para entregas feitas no município do Rio, devido aos "níveis extremos" a que chegou a violência na cidade. Em nota, a empresa controlada pelo governo federal não informa se a cobrança já está em vigor ou ainda será aplicada.

"Conforme amplamente divulgado pelos veículos de comunicação, no Rio de Janeiro a situação de violência chegou a níveis extremos e o custo para entrega de mercadorias nessa localidade sofreu altíssimo impacto, dadas as medidas necessárias para manutenção da integridade dos empregados, das encomendas e até das unidades dos Correios", afirma a nota.

++ Correios fazem novo PDV para cortar custos

"Por esse motivo, foi estabelecida uma cobrança emergencial de R$ 3 para os envios destinados à cidade do Rio de Janeiro, cobrança essa que poderá ser suspensa a qualquer momento, desde que a situação de violência seja controlada. Vale esclarecer que essa cobrança já é praticada por outras transportadoras brasileiras desde março de 2017", continua o texto.

A nota não trata exclusivamente desse problema, que é abordado apenas no quarto parágrafo. No início o texto discorre sobre um reajuste médio de 8% no preço das encomendas, que entrará em vigor em 6 de março, e sobre uma comparação de preços feita por um site de compras online. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.