Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Correios buscam empréstimo com o BB para abrir PDV

Presidente da estatal confirmou que a empresa deve ter seu quarto prejuízo anual seguido em 2016, com perda de quase R$ 2 bilhões

Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

10 Novembro 2016 | 13h20

O presidente dos Correios, Guilherme Campos, confirmou nesta quinta-feira, 10, que a empresa deve ter seu quarto prejuízo anual seguido em 2016, com um déficit de quase R$ 2 bilhões. A estatal chegou a pedir um aporte de capital de R$ 840 milhões ao Tesouro Nacional, sem sucesso, e agora espera a aprovação de um empréstimo de R$ 750 milhões com o Banco do Brasil para dar início a um plano de demissão voluntária (PDV) de funcionários da empresa. 

"Não é novidade para ninguém a situação bem grave pela qual a empresa passa, por seus números e resultados. O serviço postal vem sofrendo transformações no Brasil e no mundo e a empresa precisa passar por mudanças", afirmou Campos. "O caixa vai apertar no ano que vem. O caixa que temos está com data de validade", acrescentou. 

Em 2015, os Correios tiveram um faturamento de R$ 18 bilhões, com R$ 2,1 bilhões de prejuízo. Para este ano, a expectativa da presidência da estatal é que o faturamento suba para R$ 20 bilhões, com um prejuízo abaixo de R$ 2 bilhões. 

Com isso, os Correios apresentaram hoje oficialmente o PDV para funcionários com mais de 55 anos, aposentados com tempo de serviço para requerer a aposentadoria. A expectativa da estatal é que 15% dos 117,4 trabalhadores possam aderir ao plano, o que traria uma economia de R$ 850 milhões a R$ 1 bilhão por ano à empresa. As informações sobre o PDV dos Correios já haviam sido adiantadas pelo jornal "O Estado de S. Paulo" na última terça-feira (8). 

O público-alvo são os 13 mil funcionários e a empresa aceitará a adesão de 6 mil a 8 mil deles. A ideia ainda é que os Correios ofereçam uma espécie de "salário-demissão". Os funcionários que aderirem ao programa vão receber por dez anos um valor que será calculado considerando a média do salário recebido nos últimos cinco anos e o tempo de serviço na empresa. 

"Ainda não temos a finalização dessa metodologia. Estamos terminando as contas junto ao Ministério do Planejamento", afirmou Campos. "O plano é bom. E se não funcionar, medidas mais duras terão que ser tomadas", completou o presidente. 

De acordo com Campos, a saída de 8 mil funcionários terá impacto no Postalis, o fundo de previdência dos funcionários dos Correios, mas o presidente não soube dizer como esse efeito será absorvido. Desde junho deste ano, os funcionários e aposentados dos Correios começaram a pagar contribuição extra sobre os benefícios para o equacionamento do déficit de R$ 5,6 bilhões do fundo em 2014. "O Postalis terá que dar uma 'reboladinha', mas sobre isso eu não posso afirmar", declarou. 

Os Correios pretendem compensar o desligamento dessa quantidade de empregados nos serviços prestados com a realocação de funcionários e com a melhoria de processos e a implantação de inovações tecnológicas. Somente após essa ações será estudada a contratação de novos trabalhadores, mas, a princípio, não há previsão de realização de novos concursos públicos. 

A empresa também busca uma nova formatação para o plano de saúde dos funcionários, mas isso está em discussão em uma comissão com a participação dos sindicatos da categoria. Depois da folha de pessoal, esse é um dos maiores custos que pesam hoje nas contas dos Correios. "Se eu tivesse essa fórmula hoje, seria uma homem feliz", comentou Campos. 

O presidente voltou a cobrar do governo a recomposição das tarifas do serviço postal. Segundo ele, o aumento das taxas em 2015 foi insuficiente para cobrir os custos das operações da empresa. Por outro lado, ponderou, um aumento das tarifas poderia reduzir ainda mais a demanda por envio de correspondências, monopólio da estatal. 

A estatal assinou hoje um contrato de R$ 29 milhões com a consultoria Accenture, que já reformulou os serviços postais em outros países como Suíça, Polônia, Canadá, Índia, Austrália e Estado Unidos. "Os Correios ainda são líderes no transporte de encomendas, mas perdemos participação de mercado nos últimos anos. Precisamos voltar a crescer nesse segmento", concluiu. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.