Correios convocam mais 3 mil para atenuar os efeitos da greve

Correios convocaram mais 3 mil aprovados no concurso público realizado em maio para tentar amenizar os efeitos da greve dos trabalhadores da estatal que já dura uma semana. "A população precisa ser atendida. Estamos acelerando a contratação dos concursados", afirmou Wagner Pinheiro, presidente dos Correios, ao Estado.

KARLA MENDES / BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2011 | 03h05

Esse contingente de aprovados, segundo Pinheiro, já realizou os testes físicos e assumirá suas funções o mais breve possível, somando-se aos outros 2,2 mil recém-empossados, que atuam em funções administrativas. Funcionários com mais experiência, por sua vez, foram deslocados para a área operacional.

A estatal também quer autorização do Ministério do Planejamento para ampliar as 9.190 vagas autorizadas para o concurso realizado em maio. "Vamos consultar o limite que podemos ir além (disso)", afirmou Pinheiro.

Como no fim de semana anterior, haverá outro mutirão este fim de semana para fazer a triagem e entrega de cartas, que já equivalem a dois dias de acúmulo de correspondências em seis dias úteis de paralisação.

"Queremos pedir a compreensão da população porque queremos minimizar os transtornos", disse Pinheiro. A adesão à greve, segundo ele, manteve-se em 24% do total de trabalhadores e 40% dos carteiros.

Os Correios aguardam contraproposta dos trabalhadores para que as negociações sejam retomadas. "Estamos aguardando uma contraproposta. Queremos fazer um apelo aos trabalhadores pelo bom senso", reforçou.

Reestruturação. A lei que reestrutura os Correios, de número 12.940, foi sancionada na terça-feira pela presidente Dilma Rousseff. "Essa lei é muito importante porque a empresa tem que ser fortalecida", disse ao Estado o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

A nova lei amplia a área de atuação dos Correios, que poderão constituir subsidiárias e ter participação em novos negócios, como o trem-bala, por exemplo, e também constituir empresas no exterior.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.