Correios facilitam exportações de pequeno valor

As micro e pequenas empresas encontraram no Exporta Fácil dos Correios uma forma de ampliar as vendas externas e conquistar novos mercados para os seus produtos. O movimento ainda é pequeno, no melhor estilo formiguinha, mas vem crescendo. No primeiro quadrimestre deste ano, por exemplo, as vendas externas via Correios somaram R$ 9,2 milhões. Com três anos de operação, o Exporta Fácil vem somando recordes. As operações passaram de R$ 8,6 milhões em 2001 para R$ 19 milhões em 2002, e no primeiro quadrimestre já conseguiram atingir quase 50% de todo o volume exportado no ano passado.A estimativa dos Correios é de que esse movimento venha a aumentar ainda mais neste segundo semestre, em decorrência de convênio assinado com o Banco do Brasil no início do mês para prover Certificados de Origem aos micro e pequenos empresários que usam o serviço Exporta Fácil - documento de vital importância para as exportações brasileiras obterem o tratamento preferencial concedido pelos países outorgantes do Sistema Geral de Preferências (SGP).Esse sistema, o SGP, estabelecido por países desenvolvidos, membros da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), concede redução parcial ou total do imposto de importação incidente sobre determinados produtos, quando originários e procedentes de países em desenvolvimento. No caso brasileiro, os 15 países da União Européia, mais Estados Unidos, Bielo-Rússia, Bulgária, Canadá, Eslováquia, Federação Russa, Hungria, Japão, Noruega, Nova Zelândia, República Tcheca e Suíça oferecem esses benefícios. Portanto, apenas Austrália e Polônia não concedem os benefícios do SGP ao Brasil.Principais produtosDe acordo com as estatísticas dos Correios, os principais produtos que fazem uso do Exporta Fácil são artigos de joalheria e metais preciosos (24,2%) e vestuário e acessórios (21,9%). Na seqüência, vêm discos e fitas (5,2%), livros, publicações e impressos (4,9%), instrumentos musicais (4%), bijuterias (3,4%), cera de abelha (3,4%), instrumentos odontológicos (3,2%), máquinas e aparelhos diversos (3,1%), cogumelos (3,1%), produtos filatélicos (1,4%) e outros.Hoje, o sistema permite despachar produtos com valor de até US$ 10 mil por remessa, sem exigir do remetente o Registro de Exportador. Essa facilidade existe, segundo os Correios, porque o serviço opera integrado à Declaração Simplificada de Exportação (DSE Eletrônica) do Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex). Além disso, pelo fato de os Correios contarem com recintos alfandegados da Receita Federal em suas instalações, o trâmite aduaneiro das remessas é agilizado.Concebido em parceria com a Receita Federal, o Banco Central, a Secretaria de Comércio Exterior e outros órgãos, o Exporta Fácil leva produtos brasileiros para 217 países. Para facilitar os procedimentos, os Correios sugerem que os micro e pequenos empresários dispostos a exportar por essa via primeiro consultem as regras na internet, no endereço www.correios.com.br, onde existe inclusive um simulador de preços para que o interessado possa orçar o custo do envio e estabelecer os prazos de entrega ao comprador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.