finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Correios oferecerão serviços de Internet

As pessoas que ainda não têm acesso a Internet, estimadas em 42 milhões, poderão ser beneficiadas pelos três projetos da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) no setor, em que serão investidos R$ 260 milhões, num período de quatro anos.Os projetos consistem na montagem de quiosques nas agências da ECT para que o cidadão possa ter acesso à Internet. No mesmo pacote, será possível ter o correio eletrônico grátis para troca de correspondências. O terceiro programa é o shopping virtual, destinado às empresas que queiram colocar seus produtos no portal da autarquia federal.As lojas virtuais permitirão que os visitantes possam comprar e vender produtos. A ECT pretende lucrar com o envio dos equipamentos que serão comercializados pelas empresas que estarão no site do Correios (veja link abaixo).O presidente da instituição, Hassan Gebrim, disse que a ECT não se transformará numa provedora de Internet. A idéia é que, por meio de licitações públicas, possa escolher os parceiros que irão oferecer infra-estrutura para tornar viável esses serviços. Hoje serão divulgados os editais para os quiosques e o shopping virtual. Na próxima quinta-feira, segundo Hassan, devem ser divulgadas as regras para o serviço de e-mail."Os primeiros computadores devem estar funcionando já em abril do próximo ano", disse Hassan. A oferta desses serviços se dará em duas etapas. A primeira delas pretende instalar 4.176 terminais em 3.759 agências do Correios. Nessa fase, os projetos estarão atendendo 3.284 cidades brasileiras com população acima dos 10 mil habitantes. Em 2003, mais 1.414 quiosques chegarão a 2.277 cidades.Os parceiros da autarquia vão colocar à disposição dos usuários a infra-estrutura, incluindo o aplicativo que permitirá ter acesso à Internet.Nos quiosques, por exemplo, uma pessoa poderá fazer uso do computador para visitar as páginas do governo federal e dos Correios. Porém, essa consulta é limitada ao tempo de 10 minutos, sem qualquer custo para o usuário. O cidadão que queira ir a outros sites ou fazer uso do serviço por mais de 10 minutos poderá adquirir um cartão que permitirá todas as facilidades. Pimenta e Hassan explicaram que o custo do cartão para o consumidor será fixado pelo grupo que vencer a disputa para oferecer os serviços.

Agencia Estado,

09 de outubro de 2001 | 09h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.