ALOISIO MAURICIO | PAGOS
ALOISIO MAURICIO | PAGOS

Correios pedem para a União devolver R$ 3,2 bilhões

Diretoria da empresa diz que transferiu dividendos em excesso ao governo federal, seu controlador; estatal enfrenta grave crise financeira

Eduardo Laguna, O Estado de S.Paulo

14 Abril 2018 | 00h00

Em grave situação financeira, os Correios estão cobrando da União, sua controladora, a devolução de R$ 3,2 bilhões referentes a dividendos transferidos em excesso ao governo federal quando a companhia ainda era rentável.

+ Tribunal autoriza Correios a cobrar taxa por encomenda entregue no Rio

O foco da discórdia são os repasses feitos entre 2007 e 2013. No período, os Correios transferiram, em valores atualizados, R$ 8 bilhões à União quando a legislação das sociedades por ações – que regulou os repasses entre 2007 e 2010 – e, posteriormente, o estatuto da companhia limitavam o pagamento obrigatório de dividendos a R$ 4,8 bilhões. Só entre 2011 e 2013, quando o estatuto já limitava o pagamento de dividendos para a União a 25% do lucro líquido apurado no exercício, foram transferidos quase R$ 3 bilhões.

A direção da companhia argumenta que o recolhimento excessivo de dividendos comprometeu a capacidade de investimento e a viabilidade econômico-financeira dos Correios. Na tentativa de rever esses recursos, a estatal, em ofício encaminhado há três semanas, solicitou para a Advocacia-Geral da União (AGU), a abertura de um processo de conciliação.

+ TST decide que funcionários dos Correios vão pagar pelo plano de saúde

Procurada, a AGU informou que o pedido está sob análise. Se aceito, o impasse deverá ser encaminhado à câmara da AGU responsável por negociar acordos amigáveis em controvérsias entre órgãos e entidades da administração pública. A empresa de entrega de correspondências, por sua vez, disse que não vai se manifestar sobre o processo. Limitou-se a informar que a audiência de conciliação ainda não foi agendada.

Cobrar do controlador a devolução dos dividendos foi um dos últimos atos do ex-presidente dos Correios Guilherme Campos antes de deixar o cargo, na semana passada, para se candidatar a deputado federal pelo PSD. Desde então, a presidência da estatal é exercida interinamente pelo vice-presidente de finanças e controladoria, Carlos Roberto Fortner.

+ Com prejuízo bilionário, Correios patrocinam até squash

No documento enviado para a advogada-geral da União, ministra Grace Mendonça, a direção dos Correios cita as conclusões de uma auditoria feita pelo Ministério da Transparência e pela Controladoria-Geral da União que alerta sobre a perda de solvência (capacidade de pagar dívidas) e ao risco de maior dependência da empresa em relação à União.

+ Postalis usou auditoria de empresa investigada

O texto também aponta a necessidade de injeção de recursos do controlador, já em 2017, diante dos prejuízos acumulados nos últimos três anos. O excesso de dividendos transferidos ao governo foi citado pelo relatório do Ministério da Transparência entre os motivos da atual situação econômica dos Correios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.