''Corremos o risco de convulsão social''

Para Lula, essa é a consequência do desemprego nos países em crise

Silvia Amorim, O Estadao de S.Paulo

13 de janeiro de 2009 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ontem que o mundo está sob ameaça de "convulsão social" por causa da crise. Em discurso na abertura da 36ª Couromoda, o presidente disse que vai cobrar na próxima reunião do G-20 em Londres, em abril, regras mais severas para o sistema financeiro. "Todos os países que estão diretamente envolvidos nessa crise sabem que ela não pode perdurar muito tempo. Com a consequência do desemprego, que vai acontecer exatamente nesses países, nós corremos o risco de uma convulsão social", discursou Lula. O presidente ressaltou que o Brasil é "vítima" da situação e disse esperar que os líderes mundiais se convençam de que é necessário um acompanhamento mais rigoroso dos mercados, "porque teve muita gente que ganhou muito dinheiro sem produzir um prego para colocar no sapato, apenas com a especulação". "O mundo não pode continuar assim."Em discurso bem-humorado, Lula até brincou com a delicada situação do presidente eleito dos Estados Unidos, Barack Obama. "O presidente Obama está com um pepino muito grande", disse, arrancando risos da plateia. "Nós sabemos, e ele também, que não pode perder tempo para tomar as medidas para resolver a crise."MAIS ESTADORecém-chegado das férias de dez dias pelo litoral do Nordeste, o presidente defendeu uma atuação mais forte do Estado na crise mundial. "Agora é a hora de o Estado provar que, sem querer sem gestor, o mercado é muito importante, mas o Estado forte é importante para o Brasil e qualquer país do mundo". Em mais uma metáfora futebolística, explicou por que considera este um momento estratégico para o País. "O Brasil precisa se preparar, porque, quando essa crise acabar, quem estiver mais preparado leva o jogo."Numa reedição dos discursos de 2008, o presidente voltou a dizer que está otimista. "Temos as nossas contas públicas e a inflação equilibradas, um mercado interno com potencial extraordinário, um povo ávido a consumir, temos matéria-prima, ou seja, temos um país muito mais arrumado do que qualquer outro nesse instante para enfrentar a crise." Em tom de brincadeira, acrescentou: "Sei que tem gente que não gosta desse meu otimismo. Mas sou corintiano, católico, brasileiro e ainda presidente do País. É razão de sobra para ser otimista".COLABOROU ANNE WARTHFRASESLuiz Inácio Lula da SilvaPresidente"Com a consequência do desemprego, que vai acontecer nesses países, nós corremos o risco de convulsão social""O presidente Obama está com um pepino muito grande""Agora é a hora de o Estado provar que, sem querer sem gestor, o mercado é muito importante, mas o Estado forte é importante para o Brasil e qualquer país do mundo""O mundo não pode continuar assim.""O Brasil precisa se preparar, porque, quando essa crise acabar, quem estiver mais preparado leva o jogo""O problema é que no mundo desenvolvido eles estão discutindo a recessão, e nós estamos discutindo se vamos crescer 4%, 3%, 2% ou 5%"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.