Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Corrente de comércio apresenta primeira queda desde 2009

Soma das importações e exportações no semestre foi de US$ 223,5 bilhões, 3,6% menor que no mesmo período de 2013

LUIZ GUILHERME GERBELLI, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2014 | 02h04

A corrente de comércio brasileira está em queda pela primeira vez desde 2009. Nos primeiros seis meses do ano, a soma das importações e exportações da balança comercial foi de US$ 223,5 bilhões, uma queda de 3,6% na comparação com o mesmo período de 2013.

Há cinco anos, na última vez que a corrente de comércio recuou num primeiro semestre, a economia mundial enfrentava um período de forte recessão por causa da crise internacional.

Em 2014, a corrente de comércio brasileira está menor, tanto pela queda das exportações como pela das importações.

As vendas para o exterior estão mais fracas por dois grandes motivos. Primeiro, a receita de exportação com commodities está menor por causa da queda dos preços no mercado internacional. Segundo, a crise da Argentina tem dificultado a exportação de produtos manufaturados fabricados no Brasil para o país vizinho, principal comprador do Brasil. A economia argentina enfrenta um momento difícil. No primeiro trimestre, o Produto Interno Bruto (PIB) recuou 0,8% em relação ao quarto trimestre do ano passado, quando já havia caído 0,5%. A Argentina também tenta um acordo com credores para evitar um segundo calote em 13 anos.

No caso das importações, a redução correu pela diminuição no ritmo de atividade da economia brasileira. Com um crescimento mais fraco, o Brasil tem demandado menos produtos de outros países. "A queda da exportação e da importação é um reflexo da atividade econômica fraca", afirma José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB).

Os sinais da desaceleração e demanda menor do Brasil ficaram evidentes no resultado da balança comercial de junho. No mês passado, a importação de bens de capital, que incluem maquinaria industrial e aparelhos para escritórios, recuou 17,7% na comparação com junho de 2013. No caso dos bens de consumo, a queda no período foi de 10,6% no período.

Países. O detalhamento dos números da corrente de comercio realizado pela Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex) revela que a queda foi registrada principalmente com a Argentina. O recuo foi de 20,2% no primeiro semestre. A Argentina é responsável por 7% do total da corrente de comércio do Brasil. Fica atrás apenas da China (17%) e Estados Unidos (13%), que registraram aumento de 4%.

"Outros dois países importantes na corrente de comércio com o Brasil, o Japão e Coreia do Sul, também tiveram recuo, de aproximadamente 13%", afirma Daiane Santos, economista da Funcex. "São dois países que também tiveram um crescimento do PIB, mas a taxa foi muito baixa no primeiro semestre deste ano", afirma Daiane.

Futuro. Na avaliação dos analistas, o cenário para o segundo semestre ainda é bastante incerto para a balança comercial. Os analistas consultados pelo relatório Focus, do Banco Central, preveem um superávit de US$ 2,70 bilhões neste ano.

Para a composição do panorama das exportações e importações, diversos fatores vão influenciar, como o tamanho da crise da Argentina, a confirmação das exportações de duas plataformas de petróleo - que deverão render uma receita de US$ de 2,5 bilhões ao País - e o impacto do fim da exportação da soja. Até junho, o Brasil já exportou 75% das 44 milhões de toneladas programadas para o embarque em 2014. Também vai influenciar a demanda do Brasil por produtos de fora. "Podemos ter um superávit não pelo aumento da exportação, mas pela queda da importação. Vale tudo", diz Castro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.