Reuters
Reuters

Corretora de bitcoin que perdeu R$ 1 mi diz que não foi hackeada

Donos da Foxbit, sem explicar a causa, disseram que problema no sistema, que levou a saques duplicados na conta dos investidores, já foi solucionado; corretora ficará fora do ar até dia 26

Renato Jakitas, O Estado de S.Paulo

14 Março 2018 | 22h57

Os donos da corretora de criptomoedas brasileira Foxbit, que na sexta-feira passada perdeu cerca de 30 bitcoins, algo em torno de R$ 1 milhão, com saques duplicados em contas correntes de investidores, descartaram que o motivo da falha tenha sito um ataque de hackers.

Em videoconferência para investidores realizada ontem no YouTube, Guto Schiavon e João Canhada afirmaram que o problema no sistema já foi solucionado, mas não souberam explicar a causa. “Foi uma falha no sistema e não houve ataque hacker, isso está descartado”, diz Schiavon.

Considerada a maior corretora de bitcoins do Brasil, com 400 mil clientes cadastrados, a Foxbit vai permanecer fora do ar até o dia 26 de março. A explicação, segundo os empresários, é que durante a manutenção do sistema, a empresa perdeu parte de seu banco de dados, alocado em uma provedora terceirizada chamada Blinktrade.

“Estamos trabalhando com uma equipe para resolver esse problema com a urgência que o assunto exige, mas trata-se de um processo que, infelizmente, é demorado, por conta do grande número de operações realizadas na plataforma”, diz Canhada. “Temos 400 mil clientes e fazer isso manualmente é um trabalho complexo.”

Os empresários, no entanto, afirmam que vão permitir que os investidores saquem os valores depositados ou mantidos em custódia na corretora. Segundo eles, o resgate do saldo poderá ser feito em reais e em bitcoins a partir de hoje.

Para o especialista em criptomoedas Gustavo Cunha, a falha no sistema da Foxbit evidência o principal desafio do setor atualmente. “O sistema é hoje o calcanhar de Aquiles das corretoras. Essas empresas são novas e não estavam preparadas para o aumento da demanda tão rapidamente”, afirma.

Segundo os donos, alguns investidores já procuraram a empresa para devolver o dinheiro. “A corretora vai procurar os demais clientes. Mas, este valor representa uma porcentagem ínfima do que temos”, disse Canhada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.