Darrin Zammit Lupi/Reuters
Darrin Zammit Lupi/Reuters

Corretora de criptomoeda Binance está proibida de atuar no Reino Unido

Atividades da corretora também estão no radar de autoridades financeiras de outros países, incluindo EUA, Alemanha e Brasil; em março deste ano, a ABCripto acionou o MPF para ajuizamento de ação

Elisa Calmon, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2021 | 13h58

A Autoridade de Condução Financeira (FCA, na sigla em inglês), que regula o sistema financeiro britânico, emitiu um comunicado afirmando que a Binance, maior corretora global de criptomoedas, não pode realizar nenhuma atividade regulamentada no Reino Unido. Em um comunicado divulgado no sábado, 26, a instituição alega que a empresa não possui as autorizações necessárias para atuar no país.

"Devido à imposição de requisitos pela FCA, a Binance não tem permissão para realizar quaisquer atividades regulamentadas sem o consentimento prévio por escrito da instituição", informa.

Apesar das restrições, o Grupo Binance tem oferecido uma gama de produtos e serviços a clientes britânicos por meio do site Binance.com. "Nenhuma outra entidade do Binance Group possui qualquer forma de autorização, registro ou licença para conduzir atividades regulamentadas no Reino Unido", reforça a FCA.

As atividades da corretora de criptomoeda estão no radar de autoridades financeiras de outros países, incluindo Estados Unidos, Alemanha e Brasil. Em março deste ano, a Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto) acionou o Ministério Público Federal (MPF) para o ajuizamento de ação pública de responsabilidade contra a Binance.

"Há um preocupante desprezo pelo cumprimento das normas brasileiras que regem o bom funcionamento do mercado financeiro e de capitais", apontou a ABCripto, que considera que as supostas irregularidades da Binance fazem parte de uma estratégia deliberada da marca global.

Tudo o que sabemos sobre:
Reino Unido [Europa]moeda virtual

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.