Corretoras atendem pequeno investidor

Uma opção para quem que investir no mercado acionário é comprar ações diretamente nas corretoras de valores. Na maioria das vezes, elas não exigem valor mínimo de aplicação. Mas os especialistas explicam que, para ter acesso às boas oportunidades do mercado, o ideal é ter pelo menos R$ 1 mil para investir.Ao cadastrar-se em uma corretora, o investidor tem acesso a análises sobre empresas e ações, avaliações do cenário econômico e indicações dos melhores segmentos. O material é produzido por profissionais da própria corretora. Porém, a decisão sobre qual papel comprar é apenas do investidor. A corretora não faz administração de carteira. Veja como funciona Para participar do mercado acionário por meio das corretoras, o interessado deve preencher uma ficha cadastral e, após sua aprovação, poderá operar livremente na Bolsa de Valores. Essa movimentação será feita diretamente pelo site da corretora ou por seus operadores e o participante terá de arcar com algumas taxas. Vale a pena compar essas taxas ao custo de se aplicar em fundo de ações. Nesse caso, o investidor paga uma taxa de administração, mas quem toma as decisões sobre a composição da carteira é o administrador do fundo. É dele a responsabilidade de reavaliar periodicamente os papéis que compõem o investimento. Uma das taxas para quem aplica diretamente em uma corretora de ações é a taxa de corretagem, em torno de 0,5% do valor da negociação. Mas, para atrair o pequeno investidor, algumas corretoras cobram valor fixo de corretagem. Na Ágora, por exemplo, esse custo é de R$ 20,00, independentemente do valor da operação.Veja no link abaixo todos os custos com o investimento em ações e, na matéria seguinte, como montar sua própria carteira. E lembre-se: só deve ser direcionado para esse segmento o dinheiro que pode ficar investido por um período indeterminado, ou seja, até que se consiga o rendimento desejado. No mercado de ações, não há nenhuma garantia de retorno. Por isso, o investidor deve estar preparado para eventuais perdas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.