Corretoras têm até dia 28 para confirmar reservas

Efetivação das compras depende do preço definido pela estatal e do valor que o investidor estava disposto a pagar

Roberta Scrivano, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2010 | 00h00

As corretoras de valores têm até 28 de setembro para informar aos investidores que fizeram as reservas das ações da capitalização da Petrobrás se as compras foram ou não efetivadas. O comunicado deve ser feito por telefone, carta ou e-mail.

Basicamente, a efetivação das compras depende do preço definido pela estatal para cada papel e do valor que o investidor disse que estava disposto a pagar no momento da reserva (regra determinada no prospecto da capitalização).

Na prática, isso quer dizer que, se no momento da reserva das ações o investidor disse que estava disposto a pagar por cada papel um valor inferior ao definido pelo conselho da Petrobrás ontem, a compra não será efetivada.

Por outro lado, se o investidor se dispôs a pagar um valor mais alto que o divulgado pela estatal, ele automaticamente vai adquirir mais ações que o inicialmente previsto por ele.

Para os novos acionistas (aqueles que participaram da oferta ao varejo, que teve prazo de reserva de ações encerrado no dia 22), a efetivação das reservas também depende da sobra de ações da oferta prioritária (exclusiva para quem já tinha ações da Petrobrás e teve o prazo de reserva concluído no dia 16).

Megaprocesso. De acordo com o aviso feito ao mercado, em 3 de setembro, a estatal ofertou 2,17 bilhões de novas ações ordinárias (ON, com direito a voto) e 1,58 bilhão de novas ações preferenciais (PN, sem direito a voto). Trata-se do maior processo de capitalização já feito no mundo.

Como o volume de ações e de reservas é muito grande, Ricardo Almeida, professor de finanças do Insper (ex-Ibmec), recomenda que os investidores procurem as suas corretoras a partir de hoje para checar o status da reserva. "O investidor deve procurar o help desk da sua corretora e pedir informações sobre a sua solicitação."

Almeida diz que há também a possibilidade de checar a entrada das ações pelo próprio home broker a partir do dia 29 (quando as ações começarão a ser negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo, a Bovespa). "Essa recomendação é mais para quem já tem algum experiência em ações e já conhece bem a sua corretora."

Ontem à noite, em reunião do Conselho de Administração da Petrobrás, o preço das novas ações foi definido em R$ 29,65 para as ordinárias (ON, com direito a voto) e R$ 26,30 para as preferenciais (PN, sem direito a voto). Houve desconto de 2% sobre o preço das ON (R$ 30,25) e de 1,8% sobre o das PN (R$ 26,80) no pregão de ontem.

Curto ou longo prazo. Na próxima segunda-feira, terão início as negociações das novas ações no mercado, o que possibilita às pessoas físicas que reservaram ações da Petrobrás vendê-las e tentar ganhos de curtíssimo prazo. "É uma operação bastante comum", afirma Fabiano Guasti, pesquisador do Instituto Assaf, empresa de análises econômicas. Na terça-feira será dia do pagamento das ações compradas.

Ernesto Lozardo, professor de finanças da Fundação Getúlio Vargas, no entanto, recomenda que as ações sejam mantidas na carteira por pelo menos três anos. "O investidor precisa ficar na Petrobrás até o pré-sal ser explorado para que os frutos desse desenvolvimento sejam creditados", diz Lozardo.

O professor explica que o projeto do pré-sal é muito grande e só atingirá o ápice daqui a 15 anos. "Mas, em dois anos, creio que a cotação do papel retomará a média de preço de dezembro do ano passado", estima.

Na sessão de ontem, os papéis PN fecharam com alta de 3,16%, a R$ 26,80. Em dezembro do ano passado, a média de preço para a mesma ação foi de R$ 38. "Haverá um retorno futuro. É um empresa idônea e estamos falando de mercado seguro", reforça Lozardo.

PRESTE ATENÇÃO

1. Confirmação. As corretoras de valores têm até dia 28 para entrar em contato com os investidores e informar se as reservas de ações foram ou não efetivadas

2. Condição. Se o valor apontado pelo investidor para o preço da ação for menor que o divulgado pela Petrobrás, a compra não é efetivada.

3. Preço. Já se o preço definido pela estatal for menor que o indicado pelo investidor, automaticamente serão creditadas mais ações na carteira.

4.Ações. No total, a Petrobrás irá distribuir 4,3 bilhões de novas ações, sendo 2,17 bilhões de ações ordinárias (ON, com direito a voto) e 1,58 bilhão de novas ações preferenciais (PN, sem direito a voto)

5.Garantia de retorno. Manter o investimento por pelo menos três anos é a recomendação mais indicada entre os analistas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.