Corrida às exportações pode amenizar crise, diz Ermírio

O presidente do Conselho de Administração da holding do Grupo Votorantim, Antonio Ermírio de Moraes, disse hoje que, com o real desvalorizado, o exportador brasileiro precisa colocar no exterior o que puder. Segundo ele, os exportadores têm que aproveitar sua competitividade e gerar divisas para o País. ?Eu acredito que a economia internamente está sob controle no quesito inflação e entendo que a desvalorização do real não será um fator preponderante para que se tenha um crescimento acentuado dos preços", disse.Para Antonio Ermírio, um erro cometido no passado, hoje custa caro. ?Deixamos de produzir trigo no País. Tínhamos uma produção anual de 5 milhões de toneladas. Hoje produzimos pouco e importamos da Argentina. Com isto, o pãozinho de 50 gramas teve um aumento no seu preço, infelizmente, e isto afeta as camadas mais pobres da população."Para ele, a economia passa por um processo de afrouxamento. ?Por isso temos que exportar mais. E quem depende de créditos deve tomar cuidado para não se endividar. Ainda não se sente a falta de financiamentos para as exportações. Elas estão fluindo normalmente", afirmou.Ao analisar a economia de modo geral, o empresário disse não ter indicativo algum de que acontecerá uma catástrofe. ?A situação atual no Brasil é transitória. O País deverá fechar o ano ainda com um pequeno crescimento. O anúncio de que recorremos ao FMI assusta um pouco o investidor no mercado internacional. Mas nós sabemos que se o governo vai ao FMI é porque necessita mesmo?, disse. CulpaAntonio Ermírio afirmou que não se pode jogar a culpa de tudo nas eleições. ?Não é só a eleição que vem aí. Tem também o que ocorreu nos Estados Unidos, a maior economia do mundo, agitada por uma grande crise de desconfiança. Houve a quebra na confiança do investidor e isto está gerando um afrouxamento da economia americana, que deverá crescer pouco este ano - algo semelhante a 1,5%. Isto é ruim para um país que normalmente cresce entre 4% a 5% ao ano. Esta situação de dificuldade na maior economia do mundo acaba afetando outras economias, como a nossa", afirmou.Para o empresário, o momento é de cautela. Ele recomenda que se evite os empréstimos, principalmente em dólar, ou mesmo em real, sob o risco de comprometer a saúde da companhia. "Quem está ampliando sua capacidade de produção deve evitar a formação de estoques. Se exportar, tudo bem. Tem que colocar o que puder no exterior e gerar dólares", afirmou.Ele acredita que a crise global só passará quando o mundo desenvolvido tiver um equilíbrio na produção. "Hoje há uma superprodução nos grandes países", disse. O empresário salientou que os Estados Unidos tiveram um déficit de US$ 36 bilhões na balança comercial no último mês. "Nós estamos formando um superávit de US$ 5 bilhões. Vamos procurar ampliar isto, aproveitando o momento", disse.Sobre as eleições presidenciais, Ermírio afirmou preferir o candidato do PSDB, José Serra. ?Acho que ele tem chance de se recuperar e liderar as pesquisas. Para isto vai ter que trabalhar muito."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.