Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Corrigido pela inflação, dólar está longe do pico de 2002

Cotação do dólar de 2002, no auge do estresse das eleições, equivale a R$ 6,88, com a correção pela inflação

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

25 Setembro 2015 | 22h10

À primeira vista, a cotação do dólar bateu nesta semana o recorde desde a criação do real, em 1994. Mas quando se atualiza os valores, levando em conta a correção pela inflação, o dólar está longe de superar o patamar de 2002, quando o mercado financeiro reagiu com nervosismo à eleição de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência.

Para atualizar os valores, é preciso levar em conta a inflação brasileira e a dos EUA. Por essa conta, o dólar teria de valer cerca de R$ 6,88 hoje para ser comparável com o valor de outubro de 2002. Na prática, isso indica que a pressão no câmbio lá atrás era muito maior.

Em 10 de outubro de 2002, o dólar atingiu a cotação nominal (sem o desconto da inflação) de R$ 3,99. Foi o auge das preocupações com a chegada de Lula ao Planalto. Muitos investidores tiravam recursos do País com medo de uma guinada na política econômica. Esse valor, se fosse atualizado com base no IPCA (inflação oficial do Brasil) e do CPI (índice de preços americano), seria hoje de R$ 6,88. Se for considerado o IGP-M (índice de inflação calculado pela FGV) e o CPI, o valor nominal hoje teria de ser o equivalente a R$ 7,46. Na quinta-feira, o dólar nominal chegou aos R$ 4,2480 durante o dia.

Menor pressão. O cálculo foi feito pelo economista Alexandre Cabral, da NeoValue Investimentos, para quem a pressão atualmente no câmbio é menor. “Hoje, o País tem reservas internacionais, naquela época não tinha. Além disso, o Lula era uma incógnita, enquanto hoje você sabe quais são os problemas”, comparou. “Há uma dor de cabeça? Sem dúvida. Mas todos sabem os motivos.”

As reservas internacionais em 2002 giravam em torno de US$ 37 bilhões, enquanto hoje estão na casa dos US$ 370 bilhões – dez vezes o valor do período pré-Lula.

Cabral lembra que, no fim de 2002, o mercado de juros chegou a ficar um dia praticamente parado, ao travar as operações logo no início da sessão, com a disparada das taxas futuras. Na quinta-feira, houve travamento em diferentes momentos, mas por períodos mais curtos.

Crise assustadora. O superintendente regional de câmbio da SLW Corretora, João Paulo de Gracia Correa, lembra do pânico que nas mesas de operação em 2002. Segundo ele, o estresse foi causado pelo medo do desconhecido. E apesar de o dólar ter atingido patamares mais elevados naquele momento, ele defende que a crise atual é “até mais assustadora”.

“Isso porque o pessoal que tinha mais esclarecimento em 2002 sabia que havia um exagero, que não fazia tanto sentido ter tanto medo do PT. Tanto é que, antes da posse e depois dela, o mercado foi se acomodando”, disse. “Hoje é diferente. Há pânico porque você não sabe se a Dilma terminará o mandato ou não, se terá apoio no Congresso ou não.”

O diretor de câmbio da Fourtrade, Luiz Carlos Baldan, afirma que as cotações reais mostram que 2002 teve maior estresse. Só que o mundo era outro. A economia estava mais aquecida e, havia giro, negócios entre exportadores e importadores. Em alguns dias o giro de operações somava US$ 4 bilhões, US$ 5 bilhões.”. “Hoje está muito parado. Os EUA estão se recuperando, a China desacelera. E os negócios no Brasil, sem considerar o interbancário, somam cerca de US$ 1 bilhão. É uma situação pior.”

Mais conteúdo sobre:
dólarcâmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.